Série — Novidades| Revelados títulos, datas e sinopses dos episódios da 3ª temporada de Outlander!

ATENÇÃO: As seguintes sinopses contém spoilers. Se não quiserem saber de nada sobre cada episódio, não leiam as sinopses mais abaixo.

Episódio 3×01 (10 de setembro de 2017) — “The Battle Joined”
“Depois de passar pela batalha de Culloden, Jamie encontra-se à mercê de vencedores britânicos implacáveis, até que uma conexão do seu passado oferece a sua única esperança de sobrevivência. Enquanto isso, Claire, grávida, tenta adaptar-se à vida no mundo moderno de Boston em 1940 — e a vida com Frank.”

Episódio 3×02 (17 de setembro de 2017)  —  ”Surrender”
“Escondido numa caverna isolada, Jamie leva uma vida solitária até que Lallybroch seja ameaçada pelos red coaths, que perseguem o evasivo traidor jacobita conhecido como “Jamie, o Ruivo”. De volta a Boston, Claire e Frank lutam para coexistir num casamento assombrado pelo fantasma do amor de Jamie.”

20992677_1475583935844390_427163765475160610_n

Episódio 3×03 (24 de setembro de 2017)  —  ”All Debts Paid”
“Na prisão, Jamie descobre que um inimigo antigo tornou-se o diretor — e agora tem o poder de tornar a vida dele num inferno. Ao longo dos anos, Claire e Frank deram o seu melhor para compartilhar um casamento harmonioso, mas um convidado não tão bem-vindo quebra essa ilusão, trazendo as suas diferenças à luz.”

Episódio 3×04 (1 de outubro de 2017)  —  ”Of Lost Things”
“Enquanto serve de homem das cavalariças na propriedade aristocrática de Helwater, Jamie é relutantemente atraído para as intrigas de uma nobre família britânica. Em 1968, na Escócia, Claire, Brianna e Roger esforçam-se para detectar o paradeiro de Jamie na história, deixando Claire com dúvidas se alguma vez o encontrarão novamente.”

Episódio 3×05 (8 de outubro de 2017)  —  “Freedom and Whisky”
“À medida que Brianna lida com as revelações que mudaram a sua vida no verão passado, Claire deve ajudá-la a aceitar o facto de que ela é verdadeiramente a filha do seu pai — o seu pai escocês do século 18. Para complicar ainda mais as coisas, Roger traz notícias que obrigam Claire e Brianna a enfrentar uma escolha impossível.”

Episódio 3×06 (22 de outubro de 2017)  —  “A. Malcolm”
“Depois de décadas, Jamie e Claire finalmente reencontram-se e reavivarão os seus laços emocionais e físicos. Mas os novos negócios de Jamie comprometem as esperanças dos casais de terem uma vida simples juntos.”

Episódio 3×07 (29 de outubro de 2017)  —  ”Crème de Menthe”
“Na sequência de um confronto violento, Claire segue a sua consciência de cirurgião, embora possa colocar a vida de Jamie e dela em risco. Ao mesmo tempo, Jamie tenta evadir o alcance da Coroa quando seu representante encerra suas negociações ilegais.”

outlander-new-photos-season-three-02

Episódio 3×08 (5 de novembro de 2017)  —  ”First Wife”
“Claire volta para Lallybroch com Jamie, onde ela não recebe a recepção que ela esperava. Sem o conhecimento dela, Jamie fez algumas escolhas em seu tempo separados, que voltam a assombrá-los com uma vingança.”

Episódio 3×09 (12 de novembro de 2017)  —  “The Doldrums”
“Claire e Jamie deixam a Escócia, navegando para as Índias Ocidentais em uma missão urgente. Mas quando a tripulação supersticiosa procura por culpa de alguém por uma série de má sorte, o resgate vem de uma fonte improvável.”

Episódio 3×10 (19 de novembro de 2017)  —  “Heaven and Earth”
“Claire corre para descobrir a origem de uma epidemia a bordo de um navio atingido pela doença antes que milhares de marinheiros morram. E quando Jamie trava os chifres com o capitão Raines, Fergus encontra-se dividido entre lealdade e amor.”

Episódio 3×11 (26 de novembro de 2017)  —  “Turtle Soup”
“Depois de dar um salto de fé, Claire acaba numa ilha aparentemente deserta onde a sobrevivência é sua única opção. Navegar em águas traiçoeiras afligiu o Artemis, então Jamie planeja um momento de alegria para sua equipe em meio a devastadores contratempos.”

Episódio 3×12 (3 de dezembro de 2017)  —  ”The Bakra”
“O Artemis finalmente chegou a Jamaica, trazendo Jamie e Claire muito mais perto do seu objetivo. Durante um baile esquisito na ilha, os Frasers encontram antigos aliados, bem como ex-adversários que ameaçam descarrilar sua missão.”

Episódio 3×13 (10 de dezembro de 2017)  —  “A New World”
“Claire é forçada a jogar um jogo de gato e rato com um velho adversário enquanto procura pelo jovem Ian. Os Frasers correm pelas selvas da Jamaica para evitar o impensável.”

Fontes: Medium

Anúncios

Literatura | “Uma Mulher em Fuga” de Lesley Pearse — Opinião

11.1Título Original: Rosie
Publicação: 11 de Julho de 2017
Editora: Edições ASA
ISBN: 9789892339405
PVP: 16,90€ – Compra-o no site da editora em www.leyaonline.com ou em www.wook.pt 
A minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: Somerset, 1945
Sob o olhar negligente do pai, Rosie definha na quinta onde vive. Sujeita aos maus-tratos dos meios-irmãos, Seth e Norman, e sem uma mãe para a proteger (há muito que desapareceu), a sua vida é dura e solitária. Mas no dia em que chega a governanta, Heather Farley, tudo parece mudar. Heather depressa se torna uma amiga… e até uma mãe…
Mas a alegria revela-se passageira, pois Heather desaparece misteriosamente, deixando para trás o filho, Alan, e frustrando todas as esperanças de Rosie num futuro melhor. Mas só quando o irmão de Heather, Thomas, aparece na quinta é que Rosie descobre a terrível verdade sobre a sua própria família… e finalmente ganha coragem para fugir. Mas o mundo que a espera lá fora, infelizmente, não é menos cruel. De Bristol ao Sussex, do Sussex a Londres – Rosie tudo faz para dar um novo rumo à sua vida. Mas será ela capaz de escapar à fúria vingativa de Seth?
Lesley Pearse, autora tão querida dos leitores portugueses, volta a encantar-nos com esta história dilacerante sobre a família e os segredos medonhos que pode esconder…

Opinião: Provavelmente, se não fosse Lesley Pearse, este seria um livro de 4 estrelas, mas sendo uma das minhas autoras favoritas de sempre é me impossível não dar 5, mesmo esta história não sendo a melhor da autora que li até à data.

A protagonista e toda a fase de trabalhar numa espécie de hospício foi a melhor parte do livro, sem dúvida. Pela primeira vez em algum tempo num livro de Pearse não senti que a narrativa estava a estender-se demasiado numa determinada fase da protagonista. Considero esta a melhor fase do livro, inclusive, e o que a procede, claro. Depois de conhecer Donald e outros personagens ganhei uma nova ou mais evoluída visão sobre pessoas doentes ou com deficiências: são pessoas que merecem ser tratadas com o mesmo respeito com que se trata uma pessoa sem esta “peculiaridades” assim como são pessoas que com os cuidados certos poderão ter um dia uma vida como qualquer outra pessoa. É um assunto delicado, ao meu ver, mas que Lesley Pearse abordou na perfeição. Adorei realmente ter acompanhado esta fase da vida da protagonista, pois Rosie tem apenas 15 anos e, no entanto, é uma das personagens mais fortes que a autora já criou de entre os livros que li.
A adoração de Rosie por jardinagem é também algo que adorei. É uma profissão nova, de entre as que as protagonistas de Lesley tiveram, e cuja evolução adorei acompanhar. É impossível não imaginar os magnificos trabalhos desta e não nos sentirmos inspirados a criar algo assim também. 

O romance é algo que fica mais em segundo plano. Não posso dizer que o tenha adorado e que tenha torcido com muito entusiasmo por algum personagem masculino com Rosie, mas Thomas deixou-me intrigada desde o inicio. Gostaria de ter visto uma melhor evolução da relação entre este e a protagonista, pois senti que do nada esta lembrou-se que afinal gostava de Thomas. Já a relação que esta tem, anteriormente, com Gareth tem alguma base e construção. Mas gostei de como as coisas terminaram entre Rosie e Thomas.
Algo de que senti falta foi o passar dos anos, que é já algo normal nos livros desta autora. Acompanhamos Rosie dos 14/15 aos 17 anos mas não muito mais além disso. Temos apenas um vislumbre desta alguns anos mais tarde mas já no fim. Mas mesmo assim, gostei de acompanhar este curto tempo da Rosie. Não há muitos pormenores, muita ação, o que por um lado até é bom. Senti que houve alguma quebra do padrão que tenho vindo a encontrar em livros anteriores, algo que me fez adorar ainda mais este livro.

Num geral, este é mesmo um livro de 4 estrelas, por ter em falta alguns aspetos de que gosto na escrita de Lesley Pearse. Mas como já disse, dou 5 por ser escrito por ela. Não é a história mais forte a nível emocional, que nos deixe de coração apertado como “Segue o Teu Coração”, mas é um ótimo livro, bastante refrescante e diferente para quem procura fugir ao padrão habitual da autora.

Uma leitura com o apoio deASA

Literatura | “Vitória — A Jovem Rainha” de Daisy Goodwin — Opinião

20597038_1557059867650457_7694430965460439908_nTítulo Original: Victoria
Publicação: 18 de Agosto de 2017
Editora: Editorial Presença
ISBN: 9789722360708
PVP: 20,90€ – Compra-o no site da editora em www.presenca.pt ou em www.wook.pt 
A minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: Com apenas dezoito anos, Vitória torna-se rainha da mais poderosa nação do mundo. Mas será monarca de pleno direito ou uma marionete nas mãos da mãe e do sinistro Sir John Conroy? Conseguirá esta jovem frágil fazer-se respeitar por homens como o seu tio, o Duque de Cumberland, que consideram as mulheres demasiado histéricas para governarem?

Todos querem vê-la casada, mas Vitória não tenciona casar por conveniência com o seu primo Alberto, um tímido devorador de livros, que nem sequer sabe dançar. Ela prefere reinar sozinha, apoiada pelo seu Primeiro-Ministro, Lord Melbourne, com idade suficiente para ser seu pai, mas o único que consegue fazê-la rir e que acredita que ela virá a ser uma grande rainha.

Opinião: Desta vez, vi a série antes de ler o livro pois só soube da existência deste depois de devorar a primeira temporada (podem encontrar a minha opinião da série aqui). Sendo assim, as minhas expectativas para este livro eram altíssimas. Se adorei a série, porque não haveria de adorar o livro? Uma pequena curiosidade: o livro foi escrito por uma das produtores executivas da série, por isso as minhas expectativas eram ainda maiores. E de facto, comprovou-se que Daisy Goodwin tem tanto talento na escrita de um livro, como o mostrou na série. As expectativas? Alcançadas ao máximo. Honestamente, não precisava de ler o livro para saber que classificação lhe dar. As 5 estrelas estavam garantidas desde o início.

Tudo o que acontece no livro é semelhante ao que encontrei na série. As personalidades dos personagens são igualmente bem desenvolvidas, principalmente a de Vitória, Lord Melbourne e Albert que são para mim os personagens de maior importância nesta história.
Temos romance. Temos história. Tudo na dose ideal. Não poderia ter adorado este livro mais do que o adorei. Desde que comecei a lê-lo que não consegui pousá-lo, pois a forma como a autora desenvolve a história é fantástica. Algo que adorei (e que um dos críticos do livro menciona, inclusive) foram os pormenores que tornaram este livro ainda melhor, desde a maneira de vestir, os penteados, os protocolos, entre outros aspetos. Tudo isto poderia não ter sido muito trabalhado mas o facto de o ter sido, trouxe algo de mais a este livro, dando mais “vivacidade” aos seus personagens e à época em que decorre a história.

Falando do romance que foi a parte que me emocionou imenso, pois adoro um bom romance… Lord Melbourne é o meu personagem favorito, sem dúvida, e a ligação que este tem com Vitória é simplesmente linda, única, apesar da diferença de idades. O facto de tal relação não chegar sequer a um beijo deixou-me profundamente triste, mesmo já sabendo como tudo terminaria, dado que vi a série. Mas Albert é também um personagem que adoro, mesmo não chegando nem perto do divertido e apaixonante Lord M, cuja ligação que cria e desenvolve com Vitória é quase igualmente lindíssima. Acho que é impossível não gostar deste trio, principalmente de Lord M.

“Vitória – A Jovem Rainha” é um livro que recomendo, óbvio. É uma leitura obrigatória para quem gosta de história e de um romance de fazer suspirar.
Terminei este livro a querer mais. Felizmente, a segunda temporada começou no passado domingo (27 de Agosto). Só sentirei falta do Lord Melbourne mas quem sabe ele não aparece mais para a frente. E estou a torcer para que Daisy Goodwin escreva uma continuação deste livro.

Para mais informações sobre o livro “Vitória — A Jovem Rainha”, clica aqui!

Uma leitura com o apoio depresença

Literatura | “Monstress” ganha “Hugo Award”

A Novela gráfica “Monstress” da autoria de Marjorie Liu, ilustrada por Sana Takeda, ganhou o prémio Hugo Award”, na sua categoria, no passado dia 11 de Agosto.

Desde 1995 que este prémio é atribuído aos melhores, dentro de várias categorias, como livros de Ficção Científica, BD, Cinema e Séries, entre outros.

O Júri de atribuição do prémio é composto por membros do World Science Fiction Convention e tem lugar anualmente.

O prémio para melhor novela gráfica tem sido atribuído desde 2009, tendo sido arrecadado nos anos anteriores por obras como: Saga, Ms. Marveland Girl Genius e The Sandman: Overture que ganhou o ano passado
Entre os nomeados deste ano estavam: Saga, Paper Girls, Black Panther, Ms. Marvel and The Vision.

Podem encontrar a minha opinião desta novela gráfica aqui

Literatura | Apostas Editorial Planeta para o 2º semestre de 2017

AGOSTO
Não ficção:
— “Mais Pares Difíceis da Língua Portuguesa” de Sandra Duarte Tavares e Sara de Almeida Leite
— “Francisco Pinto Balsemão” de Joaquim Vieira (Biografia)

SETEMBRO
Ficção Estrangeira:
— “A Mulher do Meu Marido” de Jane Corry (Thriller)
— “Foste Sempre Tu” de Carrie Elks (Romance)
— “A Céu Aberto” de Antonio Iturbe (Romance)

Infanto-Juvenil:
— “Destrói este Diário” de Keri Smith (10º Aniversário)
— “Geronimo Stilton – O Segredo do Tigre“, 3º vol. série 13 espadas
— “Missão Royale – Um Esqueleto na Arena Real” de Javier Muñoz
— “O Resgate dos Monges Zombies” de Cara J. Stevens
— “Adoro Yoga” de Lorena Pajalunca

OUTUBRO 
Ficção Estrangeira:
Tudo Isto te Darei” de Dolores Redondo (Thriller)
— “As Mulheres no Castelo” de Jessica Shattuck (Romance Histórico)
— “O Silêncio” de Fiona Barton (Thriller Psicológico) 
— “Labirinto dos Espíritosedição especial de Carlos Ruiz Zafón (Romance)

Não Ficção (alguns destes títulos poderão ser publicados também em Novembro):
— “Em Viagem com o Papa” de Andrea Tornelli
— “A Minha Agenda Bullet
“Lagom” de Niki Brantmark

Infanto-Juvenil:
— “Guinness World Records 2017
— “O Oráculo Escondido” de Rick Riordan (Série Os Trabalhos de Apolo, vol.1)
— “Tea Stilton – O Segredo da Princesa + As Guardiãs dos Sonhos“, nova série Incanto 1º e 2º volume

NOVEMBRO
Ficção Estrangeira:
— “A Filha da Floresta” de Juliet Marillier (Romance Fantástico) 
— “Passa a Noite Comigo” de Megan Maxwell (Romance Erótico) 
— “Lord of Shadows” de Cassandra Clare (Romance Fantástico) 

Não Ficção:
— “O Dom da Ira” de Arun Gandhi

11.jpg

Infanto-Juvenil
— “O Grande livro das Raparigas” de Ana García Sineriz e Jordi Labanda
— “As Aventures do Jovem Jules Verne” de Capitão Nemo (7º livro)

ESPECIAL STAR WARS:
— “Star Wars – FIGURAS EM CROCHET” — Setembro
— “Star Wars – DARTH VADER ABATIDO” de Jason Aaron e Kieron Gillen (argumento), M. Deodato e S. Larroca (ilustrações) — Setembro
Star Wars – CHEWBACCA” de Gerry Duggan (argumento) e Phil Noto (ilustrações) — Outubro
Star Wars – LANDO” de Charles Soule (argumento) e Alex Maleev (ilustrações) — Outubro 
— “Star Wars – O DESPERTAR DA FORÇA” de Chuck Wending (argumento) e Luke Ross (ilustrações) — Novembro

Nota: As capas apresentadas neste post são na sua maioria edições de outros países, não tratando-se, assim, das edições portuguesas.

Literatura | “Julgamentos que Mudaram a História” de Ana Margarida de Carvalho — Opinião

Julgamentos_Que_Mudaram_A_Historia.jpgPublicação: 2 de Junho de 2017
Editora: Desassossego
ISBN: 9789897730542
PVP: 17,70€ – Compra-o em www.saidadeemergencia.com 
A minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: A História não se escreve apenas nos gabinetes dos ministros, nos palácios presidenciais ou nos campos de batalha, muitas vezes decide-se nas salas de tribunal.
A História de Portugal e do Mundo está recheada de julgamentos cujos impactos duram até hoje. Muitos tribunais derrubaram governos, findaram dinastias, perseguiram pensadores, acusaram revolucionários, calaram cientistas. Sempre ao sabor das políticas do momento, dos interesses dos poderosos, do medo do povo revoltoso, e, por vezes, até em nome de uma verdadeira justiça.
Ana Margarida de Carvalho, na sua primeira incursão na não-ficção, e num estilo cativante e assente numa rigorosa pesquisa, traça uma panorâmica sobre esses julgamentos que, pela sua originalidade, barbaridade, injustiça gritante ou mediatismo, deixaram uma marca que jamais se apagará das cronologias históricas.
Justiça frouxa e impotente, tirânica ou inclemente, contestada o mesmo injusta. Prepare-se para mudar a sua maneira de ver os tribunais e essa noção sagrada de um Estado de Direito: a justiça.

Opinião: Pela primeira vez em muito tempo, decidi sair um pouco da minha zona de conforto (mais conhecida como literatura ficcional) e aventurar-me num género literário nunca antes experimentado: Literatura de Não-Ficção. Neste caso, este é um livro de história. Como amante de história, sempre tive curiosidade de ler algo fora de fição histórica e este livro chamou-me facilmente à atenção pela sua temática.

A capa começa por mostrar algumas figuras históricas cujos os reinados ou ações mudaram a história do mundo, como Joana D’Arc, Pablo Escobar, Henrique VIII, entre muitos outros. Henrique VIII foi quem despertou em mim a vontade de ler o livro, mas após a leitura deste, descobri que existem muito mais figuras interessantes, com histórias ainda mais “arrepiantes” e surpreendentes. É um livro extremamente cativante, com um breve resumo, em 5 páginas no máximo, dos vários “julgamentos” que foram surgindo ao longo dos séculos. Alguns deles já conhecia, mas grande parte conhecia mal ou nem conhecia de todo e adorei conhecer melhor a parte “mais negra” da humanidade. Há de tudo um pouco: casos chocantes, casos que até nos fazem rir um pouco, casos totalmente absurdos. A minha parte favorita foram os capítulos referentes à monarquia, pelas várias figuras históricas mencionadas, claro.

Para uma pessoa tão ávida por conhecimento e tão curiosa como eu, este livro é excelente, principalmente se nunca se leu nada do género de não-fição. Cada capítulo é bem resumido e o facto de ser pequeno, facilita muito mais a leitura e prende facilmente o leitor ao livro. Adorei-o sem dúvida e recomendo-o muito a qualquer iniciante ou fã do género e, claro, aos mais curiosos e amantes da história da humanidade 🙂

Uma leitura com o apoio deDesassossego logo.jpg

Série | Sessão fotográfica Entertainment Weekly (+ video) e novas fotos da 3ª temporada de Outlander

Começando pelas fotos que todos os fãs da série aguardavam… A tão esperada sessão fotográfica dos protagonistas de Outlander (Caitriona Balfe e Sam Heughan) para a Entertainment Weekly. Depois das fantásticas fotos que a EW lançou, antes da estreia das segunda temporada, terem conquistado os fãs da série (falo por mim: apaixonei-me por completo por aquelas fotos!), chegam então as novas fotos antes da estreia da terceira temporada (10/Setembro). Comparada à anterior, esta nova sessão fotográfica está ainda mais apaixonante. Há algo de especial nela. A química parece maior… Não consigo evitar “shippá-los” até mesmo na vida real hahahaha

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para além da sessão fotográfica, a EW lançou mais quatro stills novos da terceira temporada e o entusiasmo só continua a aumentar conforme vão saindo mais imagens do que ai vem… 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

E por fim, deixo-vos o video dos bastidores da sessão fotográficas da EW (sem legendas, por agora) 😉

Fontes: Entertainment Weekly e Outlander Portugal.

Literatura | O que ando a ler…

Há algum tempo que não escrevia um post sobre o que ando ou planeeio ler, por isso eis-me aqui.

Uma das razões para não andar a publicar tanto é que comecei a ler um “calhamaçozinho” chamado “Uma Mulher em Fuga”, o novo livro da Lesley Pearse publicado em Portugal. São 600 e poucas páginas e dado que estou mais habituada a ler livros de 300 e poucas páginas no máximo, acaba por ser normal demorar mais tempo a ler livros maiores.
Outro livro que ando a ler é Outlander (o quarto livro aka 1000 e tal páginas), embora a leitura esteja parada enquanto não termino o da Lesley Pearse.

Mas falando do que estou a achar de…

Resultado de imagem para outlander tambores de outono “Outlander – Os Tambores do Outono” de Diana Gabaldon: Já li cerca de quase 300 páginas, o que é um grande avanço se tivermos em conta que este é mesmo um calhamaço de 1000 e poucas páginas, cuja fonte tem um tamanho menor do que o padrão. Embora esteja a adorar, porque Outlander é Outlander e eu adoro o mundo e os seus personagens, estou a achar um pouco enrolativo, no sentido em que não há muita ação, os acontecimentos prolongam-se demasiado e muito do que acontece poderia facilmente ser descartado do livro. Mas sendo Diana Gabaldon, tenho a certeza que muito do que está a acontecer agora, por mais enrolativo que seja, poderá vir a ter a sua importância mais para a frente. Se tivesse que classificar estas primeiras 300 páginas, daria 4 estrelas, porque comparado ao livro anterior, este tem uma certa fluência ao contrário de narrativa meio confusa.

“Uma Mulher em Fuga” de Lesley Pearse: Já perdi a conta de quantos livros desta11.1 autora li. Foram praticamente todos e adorei-os, uns mais que outros, claro. Só deixei em “stand by” o “Confia em mim”, que com 200 e poucas páginas tornou-se cansativo na sua narrativa de acontecimentos. Mas este novo livrinho está a ser simplesmente fantástico! Tento ler 100 e poucas páginas por dia no mínimo, para que não fique muito tempo a ler o mesmo livro (sou daquelas pessoas que enjoa se tiver a ler o mesmo livro durante muito tempo!), mas acabo sempre por ler mais do que a meta. Até ao momento em que estou a escrever este post, já li 200 e poucas páginas e estou completamente viciada. A história, os personagens, a escrita: tudo está no ponto. Já sentia saudades de ler Lesley Pearse e este tipo de histórias mais fortes.

12.2 “A Ilha das Quatro Estações” de Marta Coelho: Quem conheço que leu esta novidade do Clube do Autor, diz ter adorado esta ilha, pelo que senti curiosidade e lá peguei nele. Comecei a ler e, embora até agora não ter me sentido agarrada ao livro, estou aos poucos a ganhar uma curiosidade sobre o que ai vem. Já li umas 70 páginas, no total, pois ando mesmo concentrada em Lesley Pearse hehehehe Mas o pouco que li, agradou-me e intrigou-me mesmo sobre o que poderá acontecer mais para a frente. A escrita é bastante simples, o que é bom. A isto, junta-se o pormenor dos capítulos serem divididos em dois pontos de vistas, sendo cada capítulo composto por poucas páginas, o que dá certa fluência ao livro. Num geral, ainda não senti aquele “agarrar”, mas estou a gostar e espero adorar este livro tanto quanto as outras pessoas adoraram.

Embora não os esteja a ler ao mesmo tempo, são leituras que iniciei e que estou a gostar. Por agora, o meu objetivo é terminar de ler o da Lesley Pearse enquanto estiver no Porto. Sim, estou no Porto! A visita à Lello é garantida, pois uma fã de Harry Potter não pode deixar de ir à Lello certo? hehehehe

O que andam a ler desse lado? Terminam sempre os livros que iniciam ou às vezes dão por vocês com vários livros em stand by/a ler vários livros ao mesmo tempo? 😉

Literatura | “Antes de Ires” de Clare Swatman — Opinião

5.6Título Original: Before you go
Publicação: Julho de 2017
Editora: Editorial Planeta
ISBN: 9789896579258
PVP: 17,70€ – Compra-o em www.wook.pt  
A minha classificação: 3,8 em 5 estrelas

Sinopse: Um romance para todos aqueles que acreditam no poder do amor, e que acreditam que nunca é tarde de mais para mudar as coisas.

ENCONTRA A SUA ALMA GÉMEA…
Há pessoas que passam anos a ver o amor à sua frente antes de o descobrirem. Zoe e Ed fizeram, com mais ou menos tropeções, o seu caminho até à idade adulta, cada qual pelo seu trilho… mas sempre na mesma direção. Anos mais tarde, depois de terem navegado por empregos que não levavam a parte nehuma e caóticas partilhas de apartamentos, o amor floresce finalmente. O futuro juntos parece ponto assente…

ENTÃO ACONTECE O IMPENSÁVEL.
Uma manhã, a caminho do trabalho, Ed é derrubado da sua bicicleta e morre. E Zoe tem de arranjar maneira de sobreviver. Mas não está preparada para abrir mão das suas recordações. Como pode esquecer os tempos felizes, o primeiro beijo, tudo o que construíram juntos? Zoe decide que tem de dizer a Ed todas as coisas que nunca disse.

SÓ QUE AGORA É DEMASIADO TARDE. OU NÃO SERÁ?

Opinião: Mais uma novidade deste verão lida! Quando li a opinião de umas quantas sobre este livro, não resisti e decidi pegar nele. O tema de segundas oportunidades, de voltar atrás e tentar corrigir o passado e alterar os acontecimentos futuros-presentes é extremamente interessante e só por ai a minha curiosidade era enorme. Para além disso, a capa portuguesa é lindíssima! Lembra-me um pouco das capas brasileiras de Nicholas Sparks, mas adorei-a e despertou ainda mais a minha curiosidade.

Algo que adorei neste livro foi a escolha da autora em não prolongar-se muito na descrição de acontecimentos até à morte de Ed, o marido de Zoe. Foi direta “ao assunto”, como se costuma dizer, e adorei tal coisa pelo simples facto de que muitas vezes encontro o contrário em vários livros. Não foram nem 50, nem 200 páginas para alcançar a ação principal. Foram apenas umas 20 e poucas.

Mas num geral, acho que o livro ficaria excelente se tivesse umas quantas páginas a menos, pois senti que às vezes, na viagem ao passado, a história acabava por arrastar-se um pouco com um ou outro momento não muito relevante para história. Excepto isto, adorei conhecer o passado deste casal e gostei sobretudo de ver a força de vontade de Zoe em tentar mudar e melhorar as coisas, de forma a evitar que no fim o Ned morra de novo.
A escrita não é das que agarra por completo, mas o mistério em si e a curiosidade de saber como terminará tudo, leva a que o leitor fique preso à história. J.K. Rowling é um exemplo. Não sou a maior fã da escrita mas adoro o mundo. O mesmo acontece com este livro.

O final, e sem dar spoilers, deixou-me um pouco surpresa. Por um lado, esperava que tudo terminasse daquela forma, mas por outro lado… fiquei surpresa e acho que teria “amado” este livro se de facto o final tivesse sido diferente do que a autora escreveu. Mas é um livro que adorei imenso e que recomendo, sobretudo a fãs de Nicholas Sparks ou de Jojo Moyes, que são os autores cujo tipo de história sinto que se aproxima mais do deste livro.

Uma leitura com o apoio dePlaneta