Leituras de Abril (2016)

Mais uma vez, aqui estou para vos mostrar os livros lidos em Abril, ou simplesmente, o Wrap-up deste fantástico mês!
“Fantástico porquê?”, perguntam vocês.
Talvez este tenha sido o melhor mês em termos de leituras de toda a minha vida. Sim, a sério! É a inacreditável, mas eu li 11 livros este mês, algo que nunca tinha feito antes, pois geralmente leio, com sorte, 7 ou 8 livros no máximo por mês.
Por isso, temos um recorde!!

E é fantástico também, pois todos os livros que li foram ótimos, e dei a quase todos 5 estrelas, não baixando para além das 4 estrelas!
Neste último dia do mês não terminarei nenhum livro, infelizmente (o que poderia subir o número para 12), porque, como devem saber, estou desde o inicio de Março a ler o Memorial do Convento e vou fazer um esforço para terminá-lo este fim de semana, e assim, espero que esteja seja a minha primeira leitura de Maio. Gostaria de ter terminado ainda este mês, pois tenho imensa coisa a dizer deste livro, sem dúvida!

Mas vamos ao que interessa, que é para isso que estou aqui.
Estes são os livros lidos em Abril (por ordem de leitura, e clicando nos títulos, podem aceder às respetivas opiniões):

1. Romance com o Duque – Tessa Dare – 5 de 5 estrelasIMG_20160430_103242
2. Uma Chama Entre as Cinzas – Sabaa Tahir – 5 de 5 estrelas
3. Vida e Morte – Stephenie Meyer (Reimaginação de Crepúsculo, 10º Aniversário) – 5 de 5 estrelas
4. A Rainha Branca (Guerra dos Primos #1) – Philippa Gregory – 5 de 5 estrelas
5. Entre o Agora e o Sempre (livro 2) – J.A. Redmerski – 5 de 5 estrelas
6. Caminhos Sombrios – Sandra Brown – 5 de 5 estrelas
7. Eleanor & Park – Rainbow Rowell – 5 de 5 estrelas
8. Beijo da Noite (Predador da noite #5) – Sherrilyn Kenyon – 4 de 5 estrelas
9. Jogos na Noite (Predador da noite #6) – Sherrilyn Kenyon – 4 de 5 estrelas
10. A Rainha de Tearling – Erika Johansen – 5 de 5 estrelas
11. Rainha Vermelha – Victoria Aveyard – 5 de 5 estrelas

20160430_103631.jpg

Não sei indicar qual foi a minha leitura favorita deste mês, pois no meio de tantas, pelo menos três ou quatro destacam-se, sem dúvida.
“Rainha Vermelha” tal como “A Rainha Branca” e “Uma Chama entre as Cinzas” foram os que me surpreenderam mais de uma forma positiva, e que me deixaram apaixonada pelas histórias.

Por fim, partilhem comigo quais as vossas leituras deste mês, pois sou muito curiosa sobre os “wrap-ups” dos outros hahaha Já leram algum dos livros da minha lista? Partilhem tudo comigo nos comentários 😉

Rainha Vermelha – Victoria Aveyard (Opinião)

26141249Publicação: Setembro 2015
Editor: Saída de Emergência
ISBN: 9789896378486
Preço Editor: 18,50€
Minha classificação: 5 em 5 estrelas

Opinião: “Rainha Vermelha” é o primeiro livro de uma série de quatro livros já confirmados, 2 deles ainda por lançar nos EUA, escrita por Victoria Aveyard. Neste primeiro livro, narrado por Mareena, ou Mare, acompanhamos a jornada desta, desde uma simples tentativa de salvar um amigo do recrutamento até à sua entrada na corte dos Prateados, em que ela, uma Vermelha, irá servir o rei. Mas nesse mesmo dia, durante a apresentação de Prateadas para se casarem com o príncipe mais velho, Mare vê-se numa situação de perigo, porém é salva por poderes vindos de si, que nem mesmo ela sabia existirem, pois apenas os Prateados possuem talentos e tais poderes. Com isto, tendo sido vista por várias pessoas, os réis não têm outra opção se não mentir e declará-la Prateada e também noiva de Maven, o príncipe mais novo.
E será disto que o livro falará. Do percurso da Vermelha-Prateada durante os próximos dias, enfrentando perigos, dentro e fora do castelo.

Se pudesse, daria infinitas estrelas a este livro, pois desde “A Seleção” que não encontrava um livro tão viciante. Só não o li num dia, por razões normais: escola, etc, etc. Mas acreditem quando vos digo que este livro vale todo o falatório que tem gerado pelo mundo inteiro! Os personagens são mesmo muito intensos, tal como a história, cheia de reviravoltas, principalmente nas últimas páginas, que foram talvez as mais intensa de todo o livro.

Adorei conhecer Mare. Adorei o Cal. Adorei o Lucas. Mesmo os mais detestáveis personagens são ótimos personagens, muito bem construídos.
O Livro lembra, de facto, “A Seleção” pela parte dos “Vermelhos e Prateados” (que corresponde ás castas), tal como de “Divergente” pela inserção de figuras que, tal como no livro de Veronica Roth, serão a salvação de um “sistema”.
Quanto ao final, é talvez o final, de entre imensos livros deste género que já li, que mais me chocou, e que me deixou mesmo muito curiosa para o próximo livro, que só foi lançado nos EUA este ano, pelo que deverá demorar algum tempo a ser publicado cá em Portugal.
Volto a mencionar o quanto o livro é viciante! O inicio não nos vicia logo, como é óbvio, como acontece em qualquer livro, mas não são precisos mais de três capítulos para ficarmos viciados e curiosos sobre o que virá dai em diante. Talvez o facto de ser narrado na primeira pessoa do singular ajude, pois acabamos por entrar na pele desta, e ficamos a conhecer a história de um ponto de vista, ficamos a conhecer os seus pensamentos, e sem dúvida, que as várias revelações, chocantes ou mesmo as que são meras surpresas positivas, nos fazem sorrir, sentir raiva. Resumindo e concluindo: Damos por nós a viver a história, e a “sermos” a Mare, o que nem sempre acontece mesmo em livros narrados desta forma, pois tudo depende da forma como a escritora escreve. E esta escritora é sem dúvida fantástica e já tem um lugar guardado entre as minhas favoritas!

Não consigo dizer que este é a minha leitura favorita de 2016, pois sou mesmo muito agarrada aos livros que leio, e adoro cada livro de uma forma única, mas é sem dúvida um dos que mais gostei até agora, e que me fará contar os dias até poder ler o próximo, traduzido claro, apesar do meu nível de inglês.

Uma pequena curiosidade: Como disse, esta série será composta por 4 livros, porém só dois foram publicados “Red Queen” (Rainha Vermelha, publicado já em Portugal) e “Glass Sword” (A Espada de Vidro, título do livro lançado no Brasil). Quanto aos restantes dois, estão previstos os seus lançamentos, penso que para 2017 e 2018 (o 3 e o 4, respetivamente), cujos os títulos ainda não foram revelados.
Por isso, do que estão à espera? Não hesitem como eu, e vão ler já este fantástico e viciante livro!

Sinopse: “O mundo de Mare, uma rapariga de dezassete anos, divide-se pelo sangue: os plebeus de sangue vermelho e a elite de sangue prateado, dotados de capacidades sobrenaturais. Mare faz parte da plebe, os Vermelhos, sobrevivendo como ladra numa aldeia pobre, até que o destino a atraiçoa na própria corte Prateada. Perante o rei, os príncipes e nobres, Mare descobre que tem um poder impensável, somente acessível aos Prateados. Para não avivar os ânimos e desencadear revoltas, o rei força-a a desempenhar o papel de uma princesa Prateada perdida pelo destino, prometendo-a como noiva a um dos seus filhos. À medida que Mare vai mergulhando no mundo inacessível dos Prateados, arrisca tudo e usa a sua nova posição para auxiliar a Guarda Escarlate – uma rebelião dos Vermelhos – mesmo que o seu coração dite um rumo diferente. A sua morte está sempre ao virar da esquina, mas neste perigoso jogo, a única certeza é a traição num palácio cheio de intrigas. Será que o poder de Mare a salva… ou condena?”

A Rainha de Tearling – Erika Johansen (Opinião)

29614474Publicação: 2015
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722357937
Preço Editor: 19,95€
Minha classificação: 5 em 5 estrelas

Opinião: “A Rainha de Tearling” acompanha o percurso de Kelsea, desde a partida da casa dos seus guardiões, na qual viveu durante 18 dos seus 19 anos de vida, até chegar à fortaleza onde irá encontrar vários perigos, ameaças, bem como decisões difíceis de tomar.

Alguns de vocês, que me seguem no instagram, provavelmente ficaram um pouco surpresos com as 5 estrelas que estou a dar este livro. Sim, inicialmente o livro não me estava a cativar, mas aos poucos, juntamente com outros pontos, comecei a gostar realmente da história, ao ponto de terminar e querer ler o segundo livro já! Pena que não há tradução ainda. E mesmo sabendo inglês a um nível “bom”, considero-me muito preguiçosa em ler o segundo livro em inglês. Por isso, lá terei que esperar..

Falando do livro..
Esclarecendo o porquê de o livro não me ter cativado logo logo, como geralmente acontece em livros de género fantástico: Achei meio lento talvez as primeiras 100 páginas do livro. Penso que o que salvou um pouco essa parte da história foi a introdução do Rapina, e talvez do Moca (Lazarus).
Porém, ao fim dessa parte, comecei realmente a gostar do livro, e a perceber o porquê do livro ter sucesso. Ao virar de cada página, vi-me mais e mais viciada e apaixonada pela história. Continuar a ler

Jogos na noite – Sherrilyn Kenyon, Predador da Noite #6 [Opinião]

Capa_Jogos_da_Noite.aiTítulo Original: Night Play
Publicação:
2011

Editor: Chá das Cinco
ISBN: 9789898032966
PVP: 10,00€
A minha classificação: 4 em 5 estrelas

Sinopse: Bride McTierney está farta de homens. São reles, egocêntricos e nunca a amam pelo que ela é. Mas embora Bride tenha orgulho na sua independência, no fundo deseja o seu príncipe encantado. Apenas nunca pensou que este pudesse ocultar-se sob uma pele de lobo! Alguém tão perigoso e atormentado como Vane Kattalakis não é quem parece. Um Predador do Homem na forma de lobo, ele é um alvo a abater pelos muitos inimigos. Vane não está à procura de uma parceira, mas as Parcas marcaram Bride como sua. Agora tem três semanas para a convencer de que o sobrenatural é real ou perderá o respeito dos seus pares. Mas como é que um lobo convence uma mulher a confiar-lhe a vida quando tem inimigos na sua peugada? Num mundo tão cruel como o dos Predadores humanos, o amor fará alguma diferença?

Opinião: “Jogos da Noite” conhecemos Bride, uma lojista, cujo namorado acabou de terminar com esta. Porém, o que esta não esperava é que o homem que entra na sua loja, irá marcá-la, tanto no sentido figurado como literalmente. O que ela não sabe é que Vane é um Predador do Homem, que muda de forma para um lobo, e que é perseguido, com uma sentença de morte, o que trará também perigo para a vida de Bride.

Confesso que o tema não me agradou muito ao inicio, mas ao mesmo tempo que ia lendo, ia começando a gostar cada vez mais da história. Nunca gostei, nem gosto, de histórias sobre lobisomens, lobos e este tipo de mitos relacionados com lobos, mas este livro foi mesmo muito bom, e vi-me curiosa sobre o que aconteceria. Apesar de os acontecimentos terem decorrido rápido, achei a escrita fluente e boa.

Gostei particularmente do Vane e do Fury. Ambos predadores do Homem, mas personagens bem construídos. Com Vane, foram-me dadas várias cenas que me fizeram rir, como a dos restaurante (quem leu, sabe do que falo). E Fury simplesmente cativou-me. No inicio, ainda suspeitei que tudo o que ele fazia era apenas um representação, e que ele estava do lado dos maus, mas como Acheron intervém e defende este, deu para perceber que Fury é dos bons.

Sem deixar de mencionar Acheron, que novamente teve um destaque engraçado na história, o que me surpreendeu, sendo que Vane não é um dos seus predadores da noite. Algo que não tinha reparado antes, talvez por não ter lido como atenção a caracterização dele, é que Acheron tem cabelo comprido, vermelho e preto, o que é deveras estranho e diferente do que eu imaginava. Mesmo assim, é impossível não adorá-lo! Também a Simi, o demónio de Acheron, fez-me novamente gargalhar imenso com as coisas que ela fazia ou dizia.

Em suma, este livro foi engraçado, uma ótima leitura, e refrescante, após ler tantos livros sobre Predadores da Noite. É sempre bom variar.

O Beijo da Noite – Sherrilyn Kenyon, Predador da Noite #5 [Opinião]

9789898032881

Título Original: Kiss of the Night
Publicação: 09/2010
Editor: Chá das Cinco
ISBN: 9789898032881
PVP: 18,85€
Minha classificação: 4 em 5 estrelas

Sinopse: Predador da Noite… um guerreiro imortal que entregou a alma a Ártemis por uma oportunidade de vingança contra os seus inimigos. Em troca, jurou passar a eternidade a proteger a humanidade dos daemon e dos vampiros que se alimentam dela. O Predador da Noite Wulf é um antigo guerreiro viking com um poder útil mas muito irritante: amnésia. Ninguém que o conheça pessoalmente se lembra dele passados cinco minutos. Torna fáceis os engates de uma noite, mas difícil qualquer relacionamento mais sério e, sem encontrar o amor verdadeiro, não poderá recuperar a alma. Depois conheceu Cassandra, a única mulher capaz de se lembrar de si. No entanto, enquanto princesa da raça amaldiçoada que Wulf jurou caçar, ela está-lhe proibida… Mais uma obra fenomenal que coloca Sherrilyn Kenyon directamente no topo do melhor romance paranormal.

Opinião: “O Beijo da noite” apresenta-nos Wulf, o predador da noite que conhecemos em “O Abraço da Noite” (o 3º livro da série). Numa noite, Cassandra, uma rapariga que aparenta ser apenas uma humana, é atacada por daemons, mas logo aparece Wulf, que a salva. Estes beijam-se, mas tal como este diz, Cassandra irá esquecê-lo poucos minutos depois desta o deixar, sendo isto parte dos poderes deste. O que Wulf não sabe é que irá mais tarde encontrar-se com Cassandra, em sonhos, nos quais se envolvem. Dias mais tarde, ambos descobrem que ela ainda se lembra dele. Porém, algo mais chocante é revelado: Cassandra, a herdeira de uma raça que Wulf tem como dever destruir, está grávida do predador, e mais tarde, ambos vêm a descobrir que é fundamental que se proteja o feto, caso queiram evitar o fim do sol, logo o fim do mundo para todos.

Gostei realmente desta história. Achei bastante criativa, original, e diferente das outras, principalmente porque não temos uma relação tão normal como as dos livros anteriores. Vemos a relação de um predador com uma apollite.
Neste livro vemos mais perigo inserido na trama, mas também uma relação que cresce, envolta, do que uns consideram um “milagre”, a salvação da terra, enquanto que outros consideram-no algo a aniquilar. Por isso, por causa desses daemons, Wulf, juntamente com outros, terá que proteger Cassandra e o seu filho, do perigo que lhes espera.

Novamente, o Acheron teve um papel fantástico neste livro, e adorei ler cada parte com ele! Também a presença de personagens anteriores neste livro foi ótima, e fez-me gostar mais do livro. Volto a mencionar a capacidade fantástica de Sherrilyn, em inserir personagens anteriores na história, sem parecer forçado.

Wulf é sem dúvida um ótimo personagem. Não o meu predador favorito, mas é fantástico mesmo assim. Gostei principalmente da história de Cassandra e do porquê de ela ser perseguida.

Em relação aos outros livros, a este não dou 5 estrelas, mas sim 4, porque não achei tão bom quanto os outros. Mesmo assim, adorei! A Sherrilyn Kenyon é sem dúvida uma das minhas escritoras favoritas de fantástico, e estou ansiosa por continuar a seguir os livros dela.

Eleanor & Park – Rainbow Rowell [Opinião]

24068972.jpgTítulo Original: Eleanor&Park
Publicação: 2015

Editor: Chá das Cinco
ISBN: 9789897101229
PVP: 16,96€
A minha classificação: 5/5 estrelas

Sinopse: Dois inadaptados. Um amor extraordinário.
Eleanor… é uma miúda nova na escola, vinda de outra cidade. A sua vida familiar é um caos; sendo roliça e ruiva, e com a sua forma estranha de vestir, atrai a atenção de todos em seu redor, nem sempre pelos melhores motivos.
Park… é um rapaz meio coreano. Não é propriamente popular, mas vestido de negro e sempre isolado nos seus fones e livros, conseguiu tornar-se invisível. Tudo começa a mudar quando Park aceita que Eleanor se sente ao seu lado no autocarro da escola.
A princípio nem sequer se falam, mas pouco a pouco nasce uma genuína relação de amizade e cumplicidade que mudará as suas vidas. E contra o mundo, o amor aparece. Porque o amor é um superpoder.

Opinião: Muitos de vocês já devem ter visto este livro nas livrarias, ou pelo menos, em redes sociais. E realmente entendo o porquê de tanto “falatório”. Porque é este livro um sucesso? Lá chegaremos..

“Eleanor & Park” fala sobre Eleanor e Park. “Que novidade!”, pensam vocês. Mas de facto, o livro fala deles, num conjunto, e não em separado, além do romance, como acontece em quase todos os romances juvenis ou adultos, por isso disse o que disse inicialmente. Tudo começa com a chegada de uma rapariga ruiva e “gordinha”, Eleanor, à escola. Esta entra no autocarro escolar, e não tendo outro lugar disponível, senta-se ao lado de um rapaz, meio coreano, chamado Park. No inicio, ambos mantém-se sentados distantes um do outro, literalmente, calados, sem quaisquer conversas. Mas aos poucos, Park vai notando que Eleanor lê as bandas desenhadas que este lê no autocarro, até que ele próprio, começa a partilhar várias revistas com Eleanor, e logo também cassetes de música. E por mim, começam a falar-se, até que há pequenos toques, nas mãos, no cabelo. E quando damos por nós, seguimos um romance “fofo”.

E eis a razão porque percebo que este livro teve tanto sucesso: Pela relação que existe entre Eleanor e Park. Antes de começar a ler o livro, procurei opiniões, entre as youtubers que sigo, e uma em particular descreveu o livro como sendo fantástico, dizendo que o romance destes dois jovens é “fofo” e então pensei “Como é possível que uma relação seja «fofa»?” E após terminar de lê-lo, acabo por dizer “faço das palavras da Jocas, minhas”. A Relação entre eles é mesmo fofa, é doce, é simplesmente adorável! É impossível não nos apaixonarmos tanto por um como por outro, e até mesmo pelos dois como um só. Park é carinhoso, atencioso, é uma âncora na vida de Eleanor, e esta sente uma necessidade enorme de estar próxima dele. Ele é o único que a consegue fazer sorrir, que ilumina a escuridão que é a vida de Eleanor. E é isto que faz o romance deles ser tão adorável.

Eu adorei mesmo muito o livro! O Final ficou um pouco em aberto, mas permite-nos imaginar o final que desejaríamos que tivesse. Relativamente à escrita da Rainbow Rowell, mais uma vez, vi-me apaixonada pela forma como ela escreve estas histórias (anteriormente, li “Fangirl”. Podem ver a opinião aqui), como cria personagens memoráveis e apaixonantes.

Confesso que ao inicio, tive algum receio que este fosse mais um daqueles livros tipo “overhyped” (que é muito falado, e que lhe é dado tanto crédito, quando no fim não é tudo isso), e que não fosse tão bom quanto Fangirl, mas revelou-se superior a tudo isso! Só pela capa, é impossível não ficarmos curiosos e já viciados na história. Algo que me surpreendeu foi um romance recente passar-se nos anos 80, pois trata-se de um romance juvenil, e geralmente isso não acontece. Mas eu gostei inclusive disto!

Em breve, será lançado “Anexos” cá em Portugal, e só sei, que já inclui esse próximo livro, na minha wishlist!

Num dos links que coloquei, podem ver a opinião da youtuber, que referi. Penso que a opinião só comece no minuto 5.

Caminhos Sombrios – Sandra Brown (Opinião)

23065446Publicação: 2016
Editor: Quinta Essência
ISBN: 9789897414152
Preço Editor: 16,60€
Minha classificação: 5 em 5 estrelas

Opinião: Mais uma vez surge um livro fantástico da “rainha dos policiais” (na minha opinião, claro), conhecida como Sandra Brown. No caso deste livro, é nos apresentada Emory, uma pediatra, com sucesso e reconhecimento, que planeia treinar para uma maratona, a qual organizou, indo até à Carolina do Norte, apesar do marido, Jeff, se opôr. Após esse fim-de-semana de treino, Emory desaparece simplesmente: Não aparece no trabalho, nem em casa, não atende o telemóvel, o que leva o marido a alertar as autoridades.
Porém o que ninguém sabe, é que Emory, aparentemente, sofreu um pequeno acidente, acordando horas mais tarde numa cabana, no meio de uma montanha, coberta por neve e o nevoeiro. Um homem, cujo o nome este teima em não revelar, afirma ter salvo-a. Mas não estando Emory tão segura acerca disso, após as várias recusas do desconhecido de a levar de volta à cidade, a pediatra irá fazer de tudo para escapar das mãos, que pode ser o seu atacante… ou salvador.

É este mistério que gosto tanto nos livros da Sandra Brown! Como este é o quarto livro que leio dela, percebi desde do inicio o papel que o desconhecido teria na história de Emory.
Tirando este ponto, todo o resto do livro, da história, deixou-me curiosa, fez-me criar teorias, e suspeitar de tudo e todos, o que afinal é o objetivo de umm policial, não? Mas a Sandra Brown faz isto com um talento incrível, ao ponto de nos fazer acreditar que x personagem era o culpado, e no fim, a história ter uma reviravolta, chocante, principalmente, o que já é costume nos livros dela. Continuar a ler

Entre o Agora e o Sempre – J. A. Redmerski (Opinião)

imagePublicação: 2015
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722354097
Preço Editor: 17,90€
Minha classificação: 5 em 5 estrelas

Opinião: “Entre o Agora e o Sempre”, sendo o segundo livro e continuação de “Entre o Agora e o Nunca”, continua a acompanhar a história de Camryn e Andrew. Neste livro, a história começa pouco tempo depois, com Camryn grávida, e Andrew recuperado, após o grave tumor que lhe quase roubou a vida. Porém, e apesar de o casal ter finalmente alcançado um “final feliz”, algo inesperado irá acontecer, e que de alguma forma, irá retardar um pouco esse “final” e deixar um impacto grande no casal. Até que Andrew decidi levar Camryn a recordar “os velhos tempos”.

E é este ponto que realmente me fez gostar ainda mais deste livro! O Facto de eles voltarem a reviver os mesmos momentos que viveram no livro anterior.
Se me perguntassem qual dos livros gostei mais, não saberia responder, pois ambos os livros são ótimos! No primeiro, vemos mais uma relação colorida, entre amigos, inicialmente. Neste segundo livro, vemos um casal, unido e inseparável, mesmo perante vários obstáculos e problemas que surgem ao longo do livro.
Após ler 150 livros ou mais, posso afirmar que esta escritora conquistou-me, desde a primeira página, bem como o casal principal, que tornaram-se num dos meus favoritos. E claro, o Andrew Parrish entrou para a minha lista de “Namorados fictícios” hahaha Afinal, quem é que não fica apaixonada por um rapaz como este, que canta, que é um namorado preocupado e meigo. Continuar a ler

A Rainha Branca – Philippa Gregory (Opinião)

IMG_20160214_183229Publicação: 2010
Editor: Civilização Editora
ISBN: 9789722630122
Preço Editor: 18,90€
Minha classificação: 5 em 5 estrelas

Opinião: Para os amantes de história, principalmente desta fantástica escritora, eis outro livro, tão bom como os outros que li anteriormente! Este livro, ao contrário da maioria, que se baseia no reinado Tudor, acompanha a história de uma das rainhas mais marcantes da história de Inglaterra, ao longo do reinado dos Iorque: Isabel Woodville. Tudo começa com a forma como esta conhece Eduardo IV, e ao longo do livro, iremos acompanhar a incrível história do reinado do primeiro Iorque a ascender ao trono, passando por muitas batalhas, traições, mesmo dentro da própria família.

Já havia visto a série antes, factor esse que influenciou-me, e tal como aconteceu com “Outlander – Nas Asas do Tempo”, demorei um pouco até decidir pegar nele e lê-lo. Porquê agora? Há já algum tempo que tenho vindo a pensar em começar a ler os livros que tenho na minha estante há mais tempo, pois acaba por esse injusto para estes “pobrezinhos” ficarem cada vez mais para trás, enquanto compro novos. Mas que livrólico não faz isto? Se forem ver, se calhar têm um livro que compraram há anos, mas que nunca leram, enquanto que os mais recentes são lidos. E isto foi uma ideia de uma amiga minha também. “Porque não lês um livro que tenhas há mais tempo?” E acabei por decidir ler o livro de uma da minha escritora histórica favorita! Continuar a ler

Vida e Morte – Stephenie Meyer (Opinião)


Vida e MortePublicação:
2015

Editor: ASA
ISBN: 9789892333960
Preço Editor: 23,90€
Minha classificação: 5 em 5 estrelas

Opinião: Para aqueles que não sabem, “Vida e Morte” é uma versão idêntica de “Crepúsculo”, o famoso livro que deu vida à humana Bella Swan e ao vampiro Edward Cullen, só que contrária, isto é: O sexo de quase todos os personagens têm os sexos trocados. Em vez de uma Bella, temos um Bau. Em vez de um Edward, temos uma Edythe. E por ai fora. Penso que somente os pais da Bella/Beau, se mantém fora desta inversão de sexos.

Antes de mais, acho que devo mencionar/esclarecer um ponto importante, que tem vindo a ser o mais “discutido” desde que foi lançado o livro (ao meu ver): A Inversão de sexos/reimaginação de “Crepúsculo”. Se é estranho? Sim e não. É estranho ao inicio, pelo hábito de termos imaginado aqueles personagens durante 4 livros (e filmes). Ás vezes dava por mim a imaginar o Beau no corpo feminino da Bella, e o mesmo acontecia com outros personagens. Mas ao mesmo tempo, respondi “Não”, pois ao fim de uns capítulos, eu, e penso que o mesmo acontecerá a qualquer futuro leitor, habituei-me à inversão de sexo nas personagens. E comecei realmente a gostar! Porque tem que ser um homem sempre a salvar a mulher, de uma situação perigosa? Porque tem sempre que ser o homem a criatura forte na história? Porque não a mulher? Gostei bastante deste pensamento! Porém, no meio desta inversão, houve apenas um pequeno pormenor que não gostei tanto: O ponto em que a escritora não mexeu nas personagens principais, nem um pouco. Acho que era um pouco necessário, pois dificulta a imaginar um rapaz tão desastroso, e uma rapariga tão protectora e “mandona”. Só este ponto é que deveria ser mudado, na minha opinião. O Beau poderia ser um personagem mais confiante, e a Edythe alguém menos exigente, pois acho que as personalidades deles combinam somente com os sexos da verão original, e não o contrário. Continuar a ler