Leituras de Junho (2016)

Mais um mês se passou, e vejam só: Já estamos a meio do ano!
Porém, apesar dos ótimos meses que tenho vindo a ter em termos de leitura, o mês de Junho não foi dos melhores, por vários motivos.
Exames, conclusão do curso, entre outras coisas.. Mas lá consegui ler um número “decente”, sendo que pensei que nem três livros conseguiria ler.
Além dos exames, durante o mês de Junho entrei também numa pequena “reading slump” que é quando nós, leitores, terminamos de ler um livro tão mas tão bom, que não conseguimos agarrar noutro, ou simplesmente quando estamos meio enjoados e não encontramos nada que nos agrade.

Foram 6 livros no total (apesar de num deles ainda ir a meio..), mas foram todas ótimas leituras, e bastante variadas, o que me surpreende, pois só tenho vindo a ler mais fantasia..

Desde thrillers/policiais a romances, estes foram os livros que li durante o mês de Junho (os links das opiniões estarão disponíveis ao clicarem nos títulos):

IMG_9290O Assassinato de Roger Ackroyd – Agatha Christie

IMG_9292Perigo Irresistível – Becca Fitzpatrick

IMG_9293The Last Star – Rick Yancey (não concluído. Logo que o termine, atualizo este post e coloco a opinião aqui)

IMG_9291Trono de Vidro – Sarah J. Maas (leitura conjunta com a Carolina do blogue The Books On My Shelfs)

IMG_9294O Pacto – Elle Kennedy

IMG_9289O Rapaz do Pijama às Riscas – John Boyne

Foram poucos mas foram bons!

E claro, não poderia terminar este post, sem referir qual a minha leitura favorita do mês de Junho!
“Trono de Vidro” de Sarah J. Maas (Marcador) foi, sem dúvida, a minha leitura favorita, principalmente por ser uma surpresa fantástica, pois admito que as minhas expectativas não eram muito grandes. E não sei explicar o porquê disto, porque o livro é bastante falado, a capa é linda, a sinopse capta logo a atenção de qualquer amante de fantasia..

Porém, não posso deixar de referir “O Rapaz do Pijama às Riscas”, de John Boyne (ASA), que foi outra surpresa fantástica. Na minha opinião sobre este, esqueci-me de referir uma das coisas que considero muito importante: Este livro acaba também por nos trazer um conselho.. Nunca escondam a realidade de uma criança, com medo de algo ou simplesmente porque acham que ela é muito nova para saber de umas quantas verdades, pois segredos e omissões podem trazer consigo graves consequências… Porque quem leu o livro, entende-me, quando digo que mais valia terem contado as coisas ao Bruno, em vez de se meterem com segredos! Já o filme não considero bem adaptado, pois esses segredos são revelados e mesmo assim o final é igual, o que acaba por não fazer sentido..

Por fim, contem-me nos comentários se já leram algum destes livros ou se sentem curiosidade de ler e, obviamente, partilhem comigo quais foram as vossas leituras de Junho!

O Rapaz do Pijama às Riscas – John Boyne (Opinião)

9789724153575Publicação: 2008
Editor: ASA
ISBN: 9789724153575
PVP: 13,30€
Minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: “Uma história de inocência num mundo de ignorância.
Ao regressar da escola um dia, Bruno constata que as suas coisas estão a ser empacotadas. O seu pai tinha sido promovido no trabalho e toda a família tem de deixar a luxuosa casa onde vivia e mudar-se para outra cidade, onde Bruno não encontra ninguém com quem brincar nem nada para fazer. Pior do que isso, a nova casa é delimitada por uma vedação de arame que se estende a perder de vista e que o isola das pessoas que ele consegue ver, através da janela, do outro lado da vedação, as quais, curiosamente, usam todas um pijama às riscas.
Como Bruno adora fazer explorações, certo dia, desobedecendo às ordens expressas do pai, resolve investigar até onde vai a vedação. É então que encontra um rapazinho mais ou menos da sua idade, vestido com o pijama às riscas que ele já tinha observado, e que em breve se torna o seu melhor amigo…
“O Rapaz do Pijama às Riscas” foi originalmente publicado no Reino Unido em 2006, simultaneamente em edições para jovens e para adultos. Encontra-se actualmente traduzido em 32 línguas.”

Opinião: Há muito tempo que andava de olho neste livro, principalmente depois de ver o filme, e não é que o livro me surpreendeu pela positiva? Vi novamente o filme hoje e tenho que admitir que em relação ao livro, o filme tem imensas falhas, que me fazem gostar mais do livro!
Apesar de narrado na terceira pessoa do singular, acompanhamos os vários acontecimentos na visão do Bruno. Isto é, embora não seja ele a narrar, praticamente só acompanhamos este personagem. Percebi isto através da inocência até mesmo do narrador em relatar o que acontecia, não sabendo explicar o que se passava para lá da janela do quarto de Bruno. A escrita é bastante simples, é verdade, mas não deixar de ser ótima e fluente, que nos faz gostar da amizade criada entre Bruno e Shmuel, um menino que vive do lado de uma “quinta” em “Acho-Vil”.

“Acho-Vil” e “Fúria” é outro ponto que adorei neste livro! Gosto do facto do narrador ter decidido manter a visão de uma criança de nove anos, mesmo que não seja ela a narradora, ao mesmo tempo que não são precisas muitas explicações para que percebamos certas coisas, como por exemplo estas duas palavras que Bruno não entende e acaba por pronunciar assim. Claro que Acho-Vil refere-se a “Auschwitz” e Fúria trata-se obviamente de “Hitler”, mas como já disse, o escritor tem uma forma fantástica de descrever os acontecimentos e tudo o resto como se fosse uma criança, mas sem que nos deixe de fora e sem que precise de explicar as coisas.

Talvez seja esta a parte que mais gostei do livro!
Mas obviamente a história em si é fantástica. É um livro pequeno. Talvez um dos mais pequenos que li até hoje, mas isso não me impediu de dar 5 estrelas! O escritor conseguiu dizer tudo o que queria em apenas 176 páginas, e essa é outra parte ótima deste livro: Não ficou nada por dizer, não houve partes enfadonhas. O livro é simplesmente fantástico!
Claro que gostaria que tivesse aparecido mais história neste livro, mas como disse: É um livro que acompanha uma criança de nove anos que encontra um amigo num judeu da mesma idade, e é normal que não tenha tanta história envolvida, o que me faz querer ler mais livros sobre isto, pois, como já devem saber, eu adoro história, principalmente este ponto da história sobre Hitler e a Segunda Grande Guerra Mundial.

Não deixem de ler o livro por acharem a escrita fácil ou o livro pequeno! Este é um daqueles livros que considero essencial ter no nosso “CV” de leitores!

O Pacto (Off-Campus #1)- Elle Kennedy ]Opinião]

1507-1 (2)Título Original: The Deal
Publicação: 04/2016
Editor: Suma de Letras
ISBN: 9789896650728
PVP: 17,90€
Minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: “Hannah Wells encontrou finalmente aquela pessoa. Segura e confiante em todas as outras facetas da vida, enfrenta uma série de receios e inseguranças no que toca a sexo e sedução. Se quiser prender a atenção da sua nova conquista terá que sair da zona de conforto… Mesmo que tal signifique ter que aturar o arrogante e infantil capitão da equipa de hóquei… E vai ser tão bom.
Ser jogador de hóquei profissional foi tudo o que Garrett Graham sempre quis, mas as notas de final de formatura ameaçam deitar tudo por terra este sonho, pelo qual tanto tem lutado.
Se ajudar uma morena, muito gira e cheia de sarcasmo, a fazer ciúmes a outro lhe garantir a posição na equipa, que seja! Mas um inesperado beijo leva-os às cenas de sexo mais incríveis das suas vidas, e não vai levar muito tempo até que Garrett perceba que fingir não será o caminho… Terá, sim, que convencer Hannah de que o homem que ela procura se parece em tudo com Garrett.”

Opinião: À primeira vista, através da capa, este livro passa-nos a ideia de ser algo idêntico a “Rendida” (Sylvia Day) ou “50 sombras de Grey” (E.L. James), porque todos sabemos que quando existe uma imagem como a da capa (imagem acima) o tema é logo esse certo?
Porém, desta vez julguei mal o livro pela capa! Sim, o livro aborda erotismo, mas não tão exagerado como temos visto em livros deste estilo! Tem um pouco disso, mas tem também partes que nos fazem rir, sorrir ou até mesmo suspirar.
Foi o que me aconteceu. Quando o comecei a ler, esperei que fosse uma coisa, mas acabou por revelar-se uma agradável surpresa, que me fez rir, sobretudo.

É um livro viciante, fluente, e muito bem construído na minha opinião! Com uma ótima história, Elle Kennedy apresenta-nos vários personagens bem desenvolvidos, para além da Hannah e do Garret, como o Logan e os outros amigos de Garret que me fizeram rir desde a primeira página!
Mas quanto aos personagens principais.. Gostei da Hannah, mas claro, para mim o melhor personagem foi Garret, que me fez rir também, mas que não deixa de ser apaixonante, por todas as coisas que faz (e isto inclui aquelas mesmo boas).

Eu adorei mesmo o livro! Surpreendi-me bastante, pois as minhas expectativas, apesar de altas, eram direccionadas noutro “sentido”, e posso então dizer que elas alteraram-se e foram superadas, sem dúvida.
Como sempre, o ambiente de universidade criado neste livro é outra parte que adorei, pois dentro deste estilo literário, eu prefiro livros que abordem romances dentro da universidade. Acho sempre mais divertido e interessante, não sei explicar. Foi principalmente por este motivo que dei por mim a ler página atrás de página sem parar.

Algo que não posso deixar de observar é a curta frase que a editora portuguesa colocou na capa, que foi exatamente um dos elementos que me levou a pensar neste livro como algo diferente do que realmente é, pois passa-nos a ideia de que trata-se de algo só sobre sexo, e nada mais! 

Recomendo este livro a todas as pessoas que já leram “After”, “Um Caso Perdido” e muitos outros livros deste estilo, e que gostaram!

Trono de Vidro – Sarah J. Maas (Opinião)

imagePublicação: 2015
Editor: Marcador
ISBN: 9789897541773
Preço Editor: 17,50€
Minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: “Numa terra em que a magia foi banida e em que o rei governa com mão de ferro, uma assassina é chamada ao castelo. Ela vai, não para matar o rei, mas para conquistara sua própria liberdade. Se derrotar os vinte e três oponentes em competição, será libertada da prisão para servir a Coroa com o estatuto de campeão do rei – o assassino do rei. O seu nome é Celaena Sardothien. O príncipe herdeiro vai provocá-la. O capitão da Guarda vai protegê-la. Mas um halo maléfico vagueia no castelo de vidro – e está lá para matar. Quando os seus concorrentes começam a morrer um a um, a luta de Celaena pela liberdade torna-se numa luta pela sobrevivência e numa jornada inesperada para expor um mal antes de que este destrua o seu mundo.”

Opinião: Gostei imenso deste livro! É daqueles livros de que me arrependo de demorar para comprar e ler, porque o livro é tudo o que falam e muito mais!
A Capa é lindíssima, mas confesso que no inicio, apesar da curiosidade sobre este livro, a capa passou-me a impressão de ser algo com demasiada fantasia, e por isso só comprei o livro agora recentemente na FLL de 2016.

Algo a que não dei muita atenção foi a sinopse, que depois de reler várias vezes, acabou por fim por chamar-me à atenção, pois a ideia de uma assassina conquistar a atenção dos seus dois principais guardiões, deixou-me curiosa para saber como iria terminar este primeiro livro! Já para não falar que a escritora Sarah J. Maas é muito conhecida no estrangeiro e os livros da série Throne of Glass tem sido um sucesso!
Depois de terminar de ler o livro, que li em conjunto com a Carolina do blogue The Books On My Shelfs, posso confirmar que o livro é de facto ótimo! É um livro viciante, que nos deixa curiosos e ao mesmo tempo transporta-nos para um mundo cheio de perigos, que por várias vezes me deixaram envolvida na história de tal forma que cheguei a sentir medo em cenas como a caverna!
A Escrita é bastante fluente, envolvente, viciante e este é talvez um dos livros de fantasia mais bem escritos que li até hoje, pois não teve uma página de “aborrecimento” como todos nós leitores vemos, mesmo que raramente, nos livros, porque nenhum livro é perfeito, como é óbvio! Mas “Trono de Vidro” está perto de ser viciante.

Como sempre, não posso deixar de falar nas personagens! Todas são extremamente bem construídas, com personalidades marcantes. E quando digo “todas” não refiro-me apenas ás principais, mas também ás secundárias e até mesmo aquelas que aparecem somente num momento da história.
Celaena foi quem marcou-me mais. Não apenas pelo seu lado “badass“, mas também pela sua determinação, pela sua forma de ser e agir perante as várias coisas que vão acontecendo.
Mas também o Chaol e o Dorian são personagens que “entram a marcar”. Por outras palavras, ambos são distintos, obviamente, só que são igualmente fantásticos, e tal como a Celaena possuem personalidades muito bem desenvolvidas/construídas e fortes que deixam a sua marca em qualquer um.
Gostei imenso de outros personagens, mas obviamente que há aqueles de quem não gostei, mas até mesmo esses de que não gostei, como o Cain, fizeram deste livro único e melhor do que qualquer outro de fantasia que eu já li.

Não sei se o grupo Presença tem planos para publicar o próximo livro em breve, mas duvido que eu aguente muito mais tempo para ler o segundo livro “Crown of Midnight”, que é a continuação da história da assassina mais famosa (de um lugar cujo o nome já não me lembro. Como sou esquecida!) de sempre, e caso não aguente a espera, lá terei que ler em inglês!

Algo que vi um pouco aqui foi o trio entre Rapariga – príncipe – Guarda o que me lembra “A Seleção” em certa parte. Outras partes lembram-me “Os Jogos da Fome” e ainda outras “A Rainha Vermelha”, mas juntando estas três ideias base dos livros mencionados, ficamos com uma história fantástica, que é o que a Sarah J. Maas nos traz!

Perigo Irresistível – Becca Fitzpatrick (Opinião)

imagePublicação: 2015
Editor: Porto Editora
ISBN: 9789720047434
Preço Editor: 15,50€
Minha classificação: 5 em 5 estrelas

Opinião: Muitos de vocês devem reconhecer este nome, e algo surpreendente é que é a mesma escritora de “Hush, Hush”: a história de anjos caídos, de Nora e Patch. Surpreendente pois Becca Fitzpatrick saiu de um estilo literário (Fantasia) para outro (Thriller/Romance). Confesso que inicialmente, apesar da imensa curiosidade que sentia em relação a este livro por ter gostado dos anteriores, tive certo receio de acabar por ficar desiludida, pois não me recordo de ler nenhum escritor que tenha variado de estilo literário, por isso, digamos, que esta foi uma nova experiência. Experiência essa que adorei, pois o livro surpreendeu-me pela positiva!

“Perigo Irresistível” dá-nos a conhecer um mundo totalmente de “Hush, Hush”. Um mundo real, sem fantasia, mas com bastante perigo à mistura. Duas raparigas decidem fazer uma caminhada numa montanha, porém a caminho da cabana, da família de uma delas, acabam por ficar presas no meio de uma tempestade. Decidem, então, abandonar o carro e procurar refúgio, ao que caminham durante algum tempo através do nevão até que encontram uma pequena cabana habitada. Surgem dois homens de dentro dessa cabana. Um deles convida-as automaticamente a entrarem e refugiarem-se dentro da cabana, enquanto que o outro, o mais calado deles, afirma ser melhor que elas não fiquem ali, o que levanta, claro, suspeita da parte de uma das raparigas. Mesmo assim, ambas aceitam o convite do primeiro, mesmo sem saber a desagradável surpresa que lhes espera.
Não direi mais, e aproveito esta opinião para dizer que não falarei muito da história de cada livro, nas opiniões, daqui para a frente, pois disponibilizo sempre a sinopse, que acaba por ser sempre melhor do que a que faço, claro!

Como disse antes, o livro surpreendeu-me pela positiva! Penso que alcançou as minhas expectativas, pois só pela sinopse já fiquei bastante curiosa sobre o que iria acontecer entre as duas raparigas e os dois desconhecidos, e com o decorrer das páginas, vi-me viciada, e ainda mais curiosa!
Para aqueles que leram “Hush, Hush”, como eu, deixo-vos uma mensagem: Não receiem ler este livro. Aliás, se gostam da escrita da autora, irão adorar este livro, mesmo sem o sobrenatural! O Perigo e ação que vemos na série de livros de Patch e de Nora é igual ao que encontramos neste livro, e foi principalmente por isto que gostei tanto do livro!
Não sei se existem mais livros da Becca Fitzpatrick mas estou sem dúvida curiosa para ler mais dela!

Outra coisa que gostei, e que gosto de mencionar sempre nas minhas opiniões, é o quão fluente é o livro e o desenvolvimento das personagens. Relativamente ao primeiro: a história, a forma como tudo decorre traz-nos um conteúdo ótimo, fácil de ler, viciante e fluente, claro! É este um dos pontos que mais gosto na escrita da Becca Fitzpatrick. Já quanto ao desenvolvimento das personagens.. Senti-me ligada com todas elas, e considero-as bem construídas, o que não é surpreendente tendo em conta a personagens Nora e Patch, que me marcaram, sem dúvida!

O livro num todo não é imprevisível. Lá para meio (ou um pouco mais) consegui descobrir quem era o culpado dos assassinato, mas como eu gosto sempre de me “armar” em detective, e descobrir o culpado, sem que o escritor mo explique, não me importei com esta parte. Por outro lado, mesmo sendo previsível esta descoberta, o desfecho foi surpreendente e gostei bastante que tivesse sido diferente dos desfechos que geralmente vejo nos livros deste estilo.
Um livro de 5 estrelas sem dúvida!!

Sinopse: “Britt Pheiffer sonha há mais de um ano com umas férias repletas de aventura.
Treinou vários percursos pelas Montanhas Rochosas, comprou equipamento especial e até se sente confiante para levar consigo a melhor amiga, mais adepta de centros comerciais do que do ar puro das montanhas.
Poucas horas após o início da viagem, um nevão inesperado obriga-as a refugiarem-se numa cabana abandonada, aceitando a hospitalidade dos seus dois estranhos ocupantes: dois homens jovens, atraentes e… em fuga.
Feita refém, Britt é obrigada a guiá-los pela montanha e espera conseguir aguentar-se tempo suficiente até Calvin – o ex-namorado que ainda não conseguiu esquecer – poder encontrá-la.
Nada é o que parece nesta aventura nas paisagens inóspitas do Wyoming. Mason, um dos raptores, é estranhamente simpático para Britt. Já Shaun é claramente um homem perigoso.
Mas será Britt capaz de resistir à perigosa atração que Mason parece exercer sobre ela e, por fim, sobreviver?”

O Assassinato de Roger Ackroyd – Agatha Christie

1Publicação: 2011
Editor: ASA
ISBN: 9789892316161
Preço Editor: 12,50€
Minha classificação: 4 em 5 estrelas

Opinião: Eis o primeiro livro da Agatha Christie que li! Vi-o na feira, e não só a capa me chamou à atenção, como a história, e por estar a um preço tão atrativo, acabei por comprá-lo!
Passaram-se uns dias, e sem aguentar mais, comecei a lê-lo. E adorei-o, sem dúvida! Algo bom é que é cheio de diálogos, o que torna a leitura ainda mais rápida, além de fluente.
Neste livro, de entre dezenas desta tão clamada escritora, acompanhamos a visão de um médico, que numa manhã é chamado à casa de uma senhora (peço desculpa, pois esqueci-me dos nomes), que foi encontrada morta pelos seus empregados. Mais tarde, encontramos o nosso narrador na casa de Roger, um “amigo” da mulher mencionada anteriormente, que mostra-se desesperado, principalmente com a chegada de uma carta da sua falecida amiga. Nessa mesma noite, Roger é morto (o que é óbvio, através do título hahaha). O Médico apercebe-se logo de que esta não é uma morte qualquer, mas sim um assassinato. É então que a sobrinha de Roger decide contratar um detetive, Hercule Poirot, ao qual será dada a missão de descobrir o assassino de Roger.

Algo que todas as pessoas que lêem ou leram Agatha Christie tem vindo a dizer, confirmou-se: Só se descobre o “vilão” no final do livro. É este um dos pontos positivos desta história: Não é previsível, e não há nada melhor do que ler um thriller/policial pouco ou mesmo nada previsível, pois deixa-nos sempre mais curiosos sobre o que vai acontecer.
Este foi talvez o primeiro livro deste estilo, cujo o assassino não descobri logo. Vi-me, por várias vezes, a criar esquemas na minha cabeça, fazendo ligações, de modo a encontrar o culpado pelo assassinato do livro.
O Final foi sem dúvida surpreendente, e nada esperado! Aliás, a todos os que ainda não leram este livro, recomendo-vos a não lerem a carta que aparece logo no interior do livro (na parte de trás da capa) pois contém spoilers, não só deste livro, mas penso que dos outros livros desta coleção d’Os Favoritos de Agatha.
Gostei realmente deste livro, e alcançou as expectativas que tinha em relação a esta escritora. Porém ainda estou em dúvida se irei ler mais livros dela. Caso o venha a fazer, irei, óbvio, adquirir e ler “As Dez figuras Negras” que é outro livro com uma sinopse bastante interessante!

Sinopse: “Em Fevereiro de 1972, Agatha Christie escreveu uma carta ao seu editor. Nessa missiva, incluída nesta edição especial, a Rainha do Crime elegeu os dez livros de sua autoria de que mais gostava. O Assassinato de Roger Ackroyd, considerado um «favorito de sempre» pela autora, foi originalmente publicado em 1926 na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos. Foi adaptado para o teatro em 1928, tendo também sido transposto para o cinema em 1931 e para a televisão em 1999. 

Roger Ackroyd sabia de mais. Sabia que a mulher que amava envenenara o primeiro marido, um homem extremamente violento, e suspeitava que ela era vítima de chantagem. Quando ela é encontrada morta, ele não se conforma com o relatório médico que aponta para suicídio por overdose. Ackroyd desconfia de algo bem mais sinistro e quer encontrar respostas para as inúmeras perguntas que pairam ameaçadoramente no ar. Mas alguém está disposto a impedi-lo. Nem que, para tal, tenha de o matar.”