Literatura | “Saído de um Conto de Fadas” (Entre as linhas #2) de Jodi Picoult e Samantha Van Leer — Opinião

Resultado de imagem para saído de um conto de fadasTítulo Original: Off the Page 
Publicação: 6 de Outubro de 2017  
Editora: Bertrand Editora
ISBN: 9789722532143 
PVP: 16,60€ — Compra-o em www.bertrand.pt ou em www.wook.pt
A minha classificação: 3,5 em 5 estrelas

Sinopse: Um príncipe encantado saído de um conto de fadas para o mundo real.
Uma leitora que quis que o príncipe ganhasse vida e fosse seu.
Unidos pelo destino. Mas será que este amor pode sobreviver à realidade?
A princípio parece um milagre perfeito: Delilah quis que o príncipe do conto de fadas ganhasse vida e se tornasse seu. E assim foi, Oliver saiu, literalmente, das páginas do livro. Mas depois as coisas começam a complicar-se. Para existir no mundo de Delilah, Oliver tem de ocupar o lugar de um rapaz normal. É aqui que entra Edgar, que concorda em desempenhar o papel de Oliver nas páginas do livro preferido de Delilah. Mas justamente quando tudo parece encaixar na perfeição, eis que se dá uma reviravolta… e fica tudo de pernas para o ar.

Neste universo múltiplo, a fronteira entre o que está na página e aquilo que é possível é muito ténue. Será que vão conseguir viver todos felizes para sempre?

Opinião: Apesar de sentir que esta história de amor, entre Delilah e Oliver, poderia ter ficado concluída no primeiro livro, pois adorei de facto a forma como tudo aconteceu e acabou, não posso negar que gostei deste segundo livro. Foi um livro mais divertido, em parte, cujos acontecimentos prenderam-me a este, sobretudo quando se dão as trocas constantes de personagens e pessoas entre o conto e o mundo real.

O primeiro livro é, sem dúvida, bastante melhor, principalmente por este segundo ter muitas mais páginas e tornar-se um pouco cansativo mais para meio e não ter toda aquela magia e vicio de “Entre as Linhas“. Mas por outro lado, senti um desenvolvimento a nível de escrita e de facto isso fez-me gostar um pouco mais deste volume final, por ser menor a diferença entre as escritas, que é mais notável no primeiro livro.

O melhor do livro foi o destaque dado a outros personagens, como Seraphima, Edgar, Jessamyn e até mesmo ao cão-melhor amigo de Oliver. Gostei mesmo de os conhecer melhor a todos.
Como já mencionei antes, este livro foi deveras divertido. Oliver, um principe a adaptar-se ao mundo real, foi extremamente hilariante, assim como Seraphima e a cena do centro comercial. Não me lembro de ter-me rido tanto, nos últimos tempos, com personagens literários!

Torno a dizer, que apenas o primeiro livro é “suficiente” para contar esta história, porém garanto-vos que irão sentir-se entretidos até à última página com esta pequena aventura de personagens de um conto de fadas a viverem no mundo real. 😉

Anúncios

Literatura | “O Sol também é uma Estrela” de Nicola Yoon — Opinião

Título Original: The Sun is Also a Star 
Publicação: 15 de Novembro de 2017
Editora: Editorial Presença
ISBN: 9789722361286
PVP: 15,90€ — Compra-o em www.presenca.pt ou em www.wook.pt
A minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: A história de uma rapariga, um rapaz e o universo.

Natasha: Sou uma rapariga que acredita na ciência e nos factos. Não acredito no destino. Não sou de todo aquele tipo de rapariga que encontra um rapaz simpático numa rua nova-iorquina cheia de gente e se apaixona por ele. Não quando a minha família está a doze horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não será a minha história.

Daniel: Sou o bom filho, o bom estudante, correspondendo sempre às elevadas expectativas dos meus pais. Nunca fui o poeta. Ou o sonhador. Mas quando a vejo, esqueço tudo isso. Algo em Natasha faz-me pensar que o destino nos reserva, a ambos, alguma coisa muito mais extraordinária.

O universo: Cada momento das nossas vidas conduziu-nos a este momento único. Há um milhão de futuros perante nós. Qual deles se tornará realidade?

Opinião: Penso ser a primeira vez que leio uma história como esta, em vários sentidos. A principal característica que, para mim, torna este livro ainda mais único e incrível é o facto da história decorrer apenas num dia. Parece chato, dito assim, não? Mas não é, acreditem. Nicola Yoon conseguiu escrever algo genial por isso mesmo. Ao meu ver, não é fácil escrever 300 e poucas páginas cuja história decorra apenas num só dia.
Outro ponto que poderia não ter gostado mas que dei por mim a adorar imenso para surpresa minha foi todo este tema de amor instantâneo, ou amor à primeira vista. “Fofo” é o melhor adjetivo para os romances desta autora. Este foi ainda melhor e mais apaixonante que “Tudo, tudo e nós“, sobretudo por Nicola Yoon conseguir agarrar em dois pontos como o tempo e o tema e transformá-los em algo surpreendente.
Mais uma vez, a leitura de um livro desta autora pôs-me a sorrir e a rir por várias vezes com os seus personagens simplesmente divertidos.

O que mais gosto na escrita de Yoon (e, assim, na sua imaginação) é a forma como ela mistura uma história fofa com um tema real. Se por um lado temos um romance entre adolescentes, factor que tornaria este livro mais direccionado a um público mais novo, por outro, temos a abordagem de uma realidade — que neste caso trata-se da imigração —, que faz com que este livro seja ideal para qualquer idade.

Se adoraram “Tudo, tudo e nós”, tenho a certeza que irão adorar mais este novo livro editado pela Editorial Presença! 😉

Para mais informações do livro “O Sol também é uma Estrela“, clica aqui!

 

Literatura | “Como parar o Tempo” de Matt Haig — Opinião

9789898869470Título Original: How to Stop Time
Publicação: Outubro de 2017
Editora: Topseller
ISBN: 9789898869470
PVP: 17,69€ — Compra-o em www.wook.pt
A minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: «Tal como basta apenas um instante para se morrer, também basta apenas um instante para se viver. Fecha-se simplesmente os olhos e deixa-se que todos os receios fúteis se esvaiam.»

O meu nome é Tom Hazard. Pareço ter 40 anos, mas não se deixe iludir… sou muito mais velho do que isso. Séculos mais velho. E este é o meu perigoso segredo. Fui contemporâneo de Shakespeare, vivi em Paris nos loucos anos 20, cruzei os mares de uma ponta a outra. Eternamente a fugir do meu passado e à procura daquilo que me foi roubado. Mas sem identidade ou raízes, a vida eterna pode tornar-se um vazio.

Numa tentativa de voltar à normalidade, arranjei trabalho como professor de História. (Quem melhor para relatar o passado do que alguém que o viveu realmente?) Talvez desta forma consiga perder o medo de viver. A única regra para pessoas como eu é nunca se apaixonarem.
Infelizmente, descobri isto tarde demais.

Escrito com alma e coração, Como Parar o Tempo celebra aquilo que nos torna humanos e ensina-nos uma verdade universal: a vida deve ser vivida sem medos.

Opinião: Simplesmente genial e viciante. Este livro superou as minhas expectativas, pois tinha visto algumas opiniões menos positivas e, naturalmente, sentia algum receio do que viria a encontrar aqui. Mas Matt Haig conquistou-me com a sua escrita incrível, poética por vezes, com todas aquelas frases lindíssimas que não consegui não marcar com post-its: foram imensos, acreditem! Passo a citar uma das minhas favoritas: “A verdade é uma linha reta que às vezes é necessário curvar”.

Acompanhar o passado de Tom foi uma aventura imensa, principalmente por encontrar figuras como Shakespeare ou épocas como a isabelina ou o século xx. Foi, sem dúvida, a minha parte favorita do livro: os flashbacks que me foram sendo mostrados ao longo da história, intercalados com presente, dando sentido a esse presente, para no fim me fazerem querer mais e mais.
Tom é um protagonista corajoso, mas simples e humano, com os seus medos e anseios, que adorei conhecer e cuja história adoraria seguir num segundo livro. Embora o livro tinha tido um final conclusivo e não uma espécie de cliffhanger, existem muitos pontos da história que podem ser desenvolvidos num segundo livro, pois o mundo que Haig criou deixou-me extremamente curiosa e interessada em conhecer melhor esta espécie de albas.

De todos os livros que li sobre viajantes do tempo ou espécies assim, “Como parar o tempo” é, indubitavelmente, o meu livro favorito deste género, pela mensagem marcante que esta história passa.

Literatura | Leituras de Outubro e Novembro — 2017

Desgracei-me por completo quanto às leituras. Enquanto que os livros que chegam cá a casa são muitos, não posso dizer exatamente o mesmo das leituras. Obrigada querida faculdade (haha). Mas falando de faculdade… É verdade que o tempo para ler torna-se reduzido, no meio de tantos trabalhos e exames, porém estou a adorar por completo o meu curso (de Marketing), por isso não me aborrece tanto que tenha menos tempo para ler, dado que estou a fazer algo que gosto.

Outubro acabou por ser melhor que Novembro, mas de uma forma geral, ambos foram meses com leituras que há muito estavam na minha lista! Os meus livros favoritos foram, obviamente, “O Senhor das Sombras” e “O Olhar de Sophie” e um livro pelo qual me apaixonei por completo foi “Os 101 Dálmatas” na nova edição publicada Fábula.

Leituras Outubro:
O Ódio que Semeias de Angie Thomas
A Lógica Inexplicável da minha Vida de Benjamin Alire Sáenz
Sete Minutos Depois da Meia-Noite de Patrick Ness
Catarina de Bragança de Sarah-Beth Watkins
O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago
O Bibliotecário de Paris de Matt Pryor
— “Mulher Maravilha, dama de guerra” de Leigh Bardugo
Espada de Vidro de Victoria Aveyard
Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas
A Ilha do Tesouro de Robert Louis Stevenson
Contos Gregos de António Sérgio

Leituras de Novembro:
Nothing More de Anna Todd
O Senhor das Sombras de Cassandra Clare
A Coroa de Kiera Cass
Os 101 Dálmatas de Dodie Smith
O Olhar de Sophie de Jojo Moyes
“O Sol também é uma Estrela” de Nicola Yoon

Como foram as leituras por esse lado? 😉

Literatura | “Os 101 Dálmatas” de Dodie Smith — Opinião

9789897075018.jpgTítulo Original: The Hundred and One Dalmatians
Publicação: 30 de Outubro de 2017
Editora: Fábula
ISBN: 9789897075018
PVP: 13,29€ — Compra-o em www.wook.pt  
A minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: Oh, não! Os filhotes da Missis e do Pongo foram raptados! Só pode ter sido a maléfica Cruela de Vil! E todos sabem que o que ela mais quer é transformá-los num casaco de peles pintalgado. Com a ajuda de alguns companheiros caninos, a Missis e o Pongo estão prontos para salvar os cachorrinhos. Será que estes dálmatas corajosos chegarão a tempo?

Um clássico infantil que conquistou gerações, adaptado a álbum ilustrado, com ilustrações ternurentas e cheias de pinta. Estes cachorrinhos valentes farão as delícias das crianças de hoje.

Opinião: Não é novidade que ultimamente ando a reler ou a conhecer contos para os mais pequenos. E “Os 101 Dálmatas” não poderia ser exceção.

O que me chamou mais atenção neste livro, dado que existem várias edições desta história, foram as ilustrações. Nunca tinha visto imagens tão lindas como estas. Apaixonei-me por completo por esta edição em capa dura que a Fábula trouxe para Portugal! Cada virar de página é mágico, repleto de cãezinhos amorosos. Até mesmo a Cruela de Vil era giríssima. Adorei imenso esta edição, sem dúvida.

Sobre a história: é a que todos conhecemos mas foi tão gratificante reler esta pequena aventura de uma família de dálmatas que acaba por tornar-se ainda maior no final. O meu eu agora adulto só sente pena dos donos que passaram a ter um trabalhão com tantos cães hehe No fim, deu-me vontade de rever o filme live-action da Disney, por esta ser uma história que sempre adorei.

É uma edição que realmente vale muito a pena comprar, seja para oferecer aos mais pequeninos ou para terem este pedacinho da vossa infância na estante, pelas ilustrações amorosas que esta edição trás.

Uma leitura com o apoio deFábula

Literatura | “O Olhar de Sophie” de Jojo Moyes — Opinião

Resultado de imagem para o olhar de sophieTítulo Original: The Girl You Left Behind
Publicação: Setembro de 2016 (reedição)
Editora: Porto Editora
ISBN: 9789720046451
PVP: 17,70€ — Compra-o em www.wook.pt 
A minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: Somme, 1916. Sophie vive numa vila ocupada pelo Exército alemão, tentando sobreviver às privações e brutalidade impostas pelo invasor, enquanto aguarda notícias do marido, Édouard Lefèvre, um pintor impressionista, que se encontra a lutar na Frente. Quando o comandante alemão vê o retrato de Sophie pintado por Édouard, nasce uma perigosa obsessão que leva Sophie a arriscar tudo – a família, a reputação e a vida.

Quase um século depois, o retrato de Sophie encontra-se pendurado numa parede da casa de Liv Halston, em Londres. Entretanto, Liv conhece o homem que a faz recuperar a vontade de viver, após anos de profundo luto pela morte prematura do marido. Mas não tardará que Liv sofra uma nova desilusão – o quadro que possui é agora reclamado pelos herdeiros e Paul, o homem por quem se apaixonou, está encarregado de investigar o seu paradeiro…

Até onde estará disposta Liv a ir para salvar este quadro? Será o retrato de Sophie assim tão importante que justifique perder tudo de novo?

Opinião: Com este livro, Jojo Moyes torna-se assim uma das minhas autoras favoritas de romance. É o quarto livro que leio da autora e como tem sido habitual nos seus livros, adorei este! “O Olhar de Sophie” foi, sobretudo, especial e único, diferente dos seus anteriores por ter uma história mais intensa e emocionante.

O que mais mexeu comigo em vários momentos desta leitura foi a história de Sophie, principalmente a ligação que esta tem com o Kommandant. Confesso que eu tenho um “fraquinho” no que toca a romances passados durante as grandes guerras entre um soldado alemão e uma mulher do povo inimigo. Sei que é um assunto delicado por vezes, mas eu adoro e foi difícil não ficar emocionada com o que acontece nas primeiras 100 páginas. Gostaria que de facto tivesse surgido um sentimento real de Sophie pelo Herr Kommandant, sendo sincera, pois vi potencial para tal. Mesmo não sendo o livro sobre a “vida amorosa” de Sophie, foi um aspeto que adorei seguir e que me prendeu ao livro por completo.

Para além de Sophie, temos uma protagonista contemporânea, Liv, que tal como a Sophie, é uma personagem lindíssima, corajosa, que me conquistou imenso com a sua história e a sua luta pelo que mais ama. Apesar de a nível de história Sophie ser a minha favorita, gostei imenso de acompanhar todo este drama em torno do quadro de Lefèvre, com toda aquela ação dos tribunais e julgamentos.
No fim, temos algumas páginas que concluiem a história de Sophie, o que eu pensava ser pouco para tal conclusão, porém essas páginas apresentam o essencial e fiquei bastante satisfeita com o desfeixo que a autora decidiu dar à história da “rapariga que deixaste para trás”.

Arrebatador e emocionante são os melhores adjetivos para descrever este livro, indubitavelmente. As personagens, o drama, o desenvolver da história… tudo está perfeito e eu não mudaria nada.
Adoraria que Jojo Moyes escrevesse mais histórias passadas no século XX, pois sei que seriam igualmente excelentes ou até mesmo melhores que “O Olhar de Sophie”!

Uma leitura com o apoio degrupo_porto_editora_novo

Literatura | “O Senhor das Sombras” (Os Artíficios Negros #2) de Cassandra Clare — Opinião

2555Título Original: Lord of Shadows
Publicação: 2 de Novembro de 2017
Editora: Editorial Planeta
ISBN: 9789896579944
PVP: 22,95€ — Compra-o em www.wook.pt 
A minha classificação: 5 em 5 estrelas

Sinopse: Paixão, determinação e criaturas diabólicas, no 2º livro da trilogia OS Artifícios Negros. Cassandra Clare regressa à Los Angeles sombria de Lady Midnight, explorando o lado mais negro da Lei do Anjo e os limites físicos e psicológicos das suas personagens, a braços com a intolerância da Clave e as exigências de Faerie.

Opinião: Ao terminar de ler o livro, não me senti preparada para falar deste. Ainda não me sinto preparada, sendo sincera. Este foi um livro que em muito me surpreendeu pela forma como está feito o final. O facto de saber o que acontecia (porque deram-me spoilers), não serviu de muito para diminuir o choque que senti ao ler o que acontecia, pois ler e saber de algo proporciona sensações completamente diferentes.

É de Cassandra Clare de que falamos, por isso é natural que eu não dê nada mais, nada menos, do que cinco estrelas. Os seus livros tendem a melhorar cada vez mais, o que não é muito comum quando um autor estende um mundo durante livros e mais livros. Adoro cada um deles e este não foi exceção, embora Lady Midnight tenha sido único e especial por muitas razões.

Para mim, o maior destaque desta trilogia, como acontece em “The Infernal Devices”, é o romance, neste caso entre Julian e Emma. Sendo um livro da autora que é, é normal que haja todo este drama em torno deste casal parabatai. Se por um lado, fico “desesperada” por vê-los encontrar um loophole nesta situação toda, por outro, adoro por completo esse drama! Quem já acompanha este mundo desde o primeiro livro (Cidade dos Ossos), compreenderá tal gosto por romances complicados. É a fórmula ideal para tornar um ótimo livro em algo marcante e viciante. Não é nada enjoativo, garanto-vos.23548467_1560758203994004_326243268_n.pngA relação entre estes dois personagens surge tensa no inicio de Lord of Shadows (em inglês), mas ao longo deste vamos tendo uma quebra dessa tensão para algo que todos queremos que aconteça! Posso dizer que alguém aparece no livro com uma forma de quebrar a dita maldição. Mais não digo, porque não vos quero estragar a surpresa 😉

Neste livro, surgem personagens anteriores como Magnus, Alec, Jace, etc, personagens esses que adoro e que me deixaram ainda mais agarrada ao livro com as suas presenças. Um dos personagens de “Mortal Instruments” aparece para no fim ter um destino digamos que chocante. Não estava mesmo nada à espera que aquilo acontecesse e mal posso esperar por ver quais as reacções a esse acontecimento, no próximo livro, que sairá já no próximo ano (aleluia! hehe). Existem muitos outros destinos que estão pendentes e me deixaram ainda mais ansiosa para o capítulo final desta trilogia, claro.

Por fim (porque esta opinião já está enorme), a ação deste livro é de certa forma mais intensa, pois não existe tanto foco no romance, o que até gostei. O final, como já disse, é deveras chocante. Não adianta procurar spoilers, porque nada diminuirá o choque de ler tudo o que acontece. Há um personagem em particular que adorei que aparecesse neste livro e que sei que será a razão pelo qual o próximo livro será ainda melhor.

Uma leitura com o apoio dePlaneta

Literatura | “A Coroa” (A Seleção #5) de Kiera Cass — Opinião

440x (4)Título Original: The Crown
Publicação: 15 de Novembro de 2017
Editora: Marcador
ISBN: 9789897543401
PVP: 15,95€ — Compra-o em www.marcador.pt ou em www.wook.pt 
A minha classificação: 4 em 5 estrelas

Sinopse: Este é o volume final da saga «A Seleção», que apaixonou milhares de leitores por todo o mundo! Em A Herdeira, o universo de A Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira a passar pela sua própria seleção. Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração tem uma maneira estranha de surpreender-nos… E agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil – e importante – do que esperava.

Opinião: O mais difícil de ter esperado mais de um ano por este último capítulo (pois preferia continuar a seguir a série em português) foi, sem dúvida, ter o livro de colorir de “A Seleção” e querer ver as ilustrações finais, sendo que estas seriam spoilers sobre quem Eadlyn escolheria por fim.

Este livro foi bastante melhor do que o anterior, pois é notável o evolução positiva da protagonista. Deixou de ser uma miúda mimada e arrogante para passar a ser alguém altruísta e de quem dei por mim a gostar realmente.
O facto de ter lido tantos livros desde “A Herdeira” fez-me esquecer um pouco de quem era quem, quanto aos selecionados, por isso inicialmente foi-me difícil entrar na história, apesar da escrita fantástica e fluente da autora prender-me desde a primeira página, como sempre acontece nos seus livros. Aos poucos fui recordando e, surpreendentemente, dei por mim a mudar de “amores”. No livro anterior, o meu favorito era um personagem que acabou por perder esse lugar para um personagem neste segundo livro sobre a filha de Maxon e America. É de facto difícil não nos sentirmos cativadas por esse personagem, dado que a autora empurra-nos a nós e á protagonista nesse sentido!

Gostaria apenas de ter visto mais romance neste livro e o futuro do casamento de Eadlyn com o seu escolhido, apesar de ter adorado ver o desenvolvimento das relações entre Eadlyn e outros personagens, para além dos selecionados, o que compensou um pouco a falta de romance.

Com a conclusão desta série, é com toda a certeza que indico a trilogia inicial como a minha favorita, pois o romance entre America e Maxon é simplesmente lindíssimo e apaixonante. Vou sentir falta destes personagens e do mundo que Kiera Cass introduziu na minha vida há uns anos!

Para mais informações sobre o livro “A Coroa”, clica aqui!

Uma leitura com o apoio demarcador_logotipo

Literatura | “Nothing More — A história de Landon” (Livro 1) de Anna Todd — Opinião

Título Original: Nothing More
Publicação: 2 de Novembro de 2017
Editora: Editorial Presença
ISBN: 9789722361255
PVP: 15,90€ — Compra-o em www.presenca.pt ou em www.wook.pt
A minha classificação: 3,5 em 5 estrelas

Sinopse: Um coração partido. Muitos sonhos por realizar. Nothing More é a história de Landon.
Os arranha-céus e o ritmo vertiginoso da cidade são o oposto do lugar onde Landon Gibson vivia. A ida para a Universidade de Nova Iorque é perturbadora, mas ele está a aguentar-se. Conseguiu um emprego que dá para pagar (algumas) dívidas, gosta da vida de universitário e, uma vez por outra, encontra-se com Dakota, a sua ex. Lembram-se dela? Aquela por causa de quem ele escolheu a Universidade de Nova Iorque… antes de ela o deixar.
Por sorte, a sua melhor amiga, Tessa, partilha com ele um (desconfortavelmente) pequeno apartamento em Brooklyn. E, tendo em conta os bons e os maus momentos que Tessa teve com o seu próprio ex, ela sabe escutar Landon quando ele se vê envolvido num triângulo amoroso – ou num caso sem saída.
Ser jovem e ter de procurar o nosso caminho no mundo é difícil. Landon foi sempre um jovem de espírito positivo. Mas uma cidade ruidosa, exigente e tão distante de casa significa que só conseguimos aguentar-nos se pudermos contar com uma pequena ajuda dos amigos. E um bom par de headphones.

Opinião: “Nothing More” acompanha a vida (amorosa) de Landon. Pormenor interessante é que a história deste primeiro livro decorre durante os acontecimentos de “After 5 – Depois da Promessa”, mais específicamente, durante o término entre Tessa e Hardin enquanto esta vive em Nova Iorque com Landon, então para aqueles que adoram Tessa, ficarão contentes em saber que Tessa aparece várias vezes neste livro!

Landon sempre foi para mim aquele personagem querido, de quem é impossível não gostarmos, pelo que as minhas expectativas para este livro eram altas. Apesar de não terem sido correspondidas, gostei do livro, porque é de Anna Todd de quem estamos a falar e adoro a sua escrita.

As duas únicas coisas que me incomodaram um pouco neste livro foram a excessiva descrição que sinto que não adicionou muito à história, na maioria das vezes, e os três longos capítulos em que Landon não fala de mais nada para além de Dakota. Estes foram pontos que tornaram este livro apenas bom e não excelente como eu esperava. Não entendi mesmo o porquê de tanta descrição. Mas tendo já ouvido dizer que o segundo livro é melhor, não consigo deixar de ficar entusiasmada para continuar a acompanhar a vida amorosa (que é um desastre hahaha) de Landon no próximo livro!
Ignorando estes dois pontos, gostei deste livro, principalmente de (Sophie) Nora, que é talvez a minha personagem feminina favorita de Anna Todd (para além de Molly). Adorei, sem dúvida, a relação que esta tem com Landon ao longo do livro. Ao contrário de Dakota (para mim, é quase uma Steph “armada” em inocente), sinto que Nora é quem tem maior química com Landon e é difícil não “shippá-los” desde a cena do duche, que diga-se de passagem que foi muito divertida hahahaha

Um ponto que adoro em Landon é o seu gosto por Harry Potter. Isso e a constante comparação de Aiden ao Draco Malfoy e as várias referências da série (hilariante)! Algo que experimentei, ao ler este livro, foi ouvir as músicas que surgem no inicio deste como sendo a playlist de Landon. Admitamos que “ele” tem um ótimo gosto! Halsey, The Weeknd, Kelly Clarkson… A leitura de “Nothing More” acompanhada deste conjunto de músicas, torna-se muito melhor e mais fluente, pois de alguma forma, parece que esta playlist combina com a ação do livro.
Mal posso esperar por ver mais de Nora e Landon, e menos de Dakota hehehe O segundo livro deverá sair em breve, segundo a editora, o que é uma ótima notícia ❤

Uma leitura com o apoio depresença

Para mais informações sobre o livro “Nothing More – A história de Landon“, clica aqui!

Literatura | “A Ilha do Tesouro” de Robert Louis Stevenson e “Contos Gregos” de António Sérgio — Opinião

Publicação: Outubro de 2017
Editora: Porto Editora
ISBN: 9789720717771 9789720717986 
PVP: 13,90€ — Compra-os em http://www.wook.pt: A Ilha do Tesouro e Contos Gregos 
A minha classificação: 3 em 5 estrelas | 4 em 5 estrelas

Sinopse: A Ilha do Tesouro — É numa noite de Dezembro que uma faroleira descobre um velho livro num baú que dera à costa. As letras douradas do título estão quase apagadas, as páginas cobertas de bolor são ilegíveis; só o papel das ilustrações resistiu… De súbito, essas imagens ganham vida e, um após outro, os heróis do livro contam à jovem a sua fabulosa história! 
Contos Gregos — Deuses que descem à terra para vigiarem os homens; heróis que combatem rochas gigantes e dragões imortais; guerreiros de ferro que nascem do solo; pássaros que se transformam em constelações de estrelas…
Conhece estas e outras histórias do universo fantástico da mitologia grega!

Opinião: Esta coleção tem vindo a encantar-me de lançamento para lançamento. Não importa a idade que tenhamos. Seja para ler acompanhado do nosso irmão mais novo (ou até mesmo filho) ou para ler para nós mesmos, quem é que não gosta de reler as suas histórias favoritas de infância nestas edições repletas de ilustrações divertidas e giras? Eu, pelo menos, adoro! A sensação da capa ser almofada é melhor parte, haha, vá perceber-se. Maluquices de leitor!

A Ilha do Tesouro” é uma história que conhecia vagamente e estava bastante curiosa para entrar neste mundo de piratas. Apesar de um pouco confusa, em termos de ação, adorei a ideia de cada ilustração que a faroleira encontra estar ligada a uma história que é contada por um personagem. As ilustrações são, como esperado, bem produzidas e combinam na perfeição com o tipo de história.

O mesmo acontece com “Contos Gregos“, que é também um livro que não conhecia e cujas as ilustrações me encantaram imenso. A primeira história, do casal que se transforma em árvore, é a minha favorita de todas, pela beleza presente nesta. Este foi, sem dúvida, o meu livro favorito dos dois, o que não é de espantar, dada a minha paixão por mitologia, sobretudo a grega!

Embora as edições mais simples destes livros sejam mais baratas, digo-vos que vale imenso a pena investir uns euros a mais nesta coleção de capa dura almofadada, porque é algo diferente e que torna a leitura muito mais mágica de certa forma! Os mais pequeninos, com certeza, que vão adorar 🙂

Uma leitura com o apoio degrupo_porto_editora_novo