Leituras de Agosto [2016] – Wrap-Up

Depois de Junho, não pensei que voltasse a ter um mês péssimo em termos de leituras.
Li 5 livros no total. Sim, 5! E muitos de vocês provavelmente pensarão que sou maluca por achar que isso significa um péssimo mês relativo às leituras feitas, porque sei que a maioria das pessoas dá-se por satisfeita se já tiver lido dois livros.

Bom, para mim é, sim, um péssimo mês, pois se consigo ler 11 livros quando estou em99e524e9dd50c21c003f2db9ae89aa3c26f17 época de testes, porque é que não haverei de ler muitos mais durante as férias? Ah, pois, todos sabemos: Séries e filmes para pôr em dia, dormir, sair/passear e etc. Como praticamente durante as aulas só estudava e lia, e abdicava de outras coisas, como televisão, acabei por acumular muito e vê-se no que deu! haha


Mas mesmo que tenha lido só este pequeníssimo número de livros, foram todos ótimos livros!

Não se esqueçam de comentar se já leram algum destes livros, principalmente o primeiro, pois quero saber se fui a única que gostou dele ou se há mais alguém que se junte a mim nesta equipa “Anti-haters de HP#8” haha

Foram estas as minhas leituras de Agosto:

  • “Harry Potter and The Cursed Child” de Jack Thorne, John Tiffany e J.K. Rowling (tradução disponível, pela Editorial Presença a 24 de Setembro!) – Opinião 
  • “The Last Star” de Rick Yancey – FINALMENTE terminei este livro que foi uma tortura e confusão para o meu cérebro – Opinião 
  • “Harry Potter e a Pedra Filosofal” de J.K. Rowling – Re-leitura – Opinião 
  • “Harry Potter e a Câmara dos Segredos” de J.K. Rowling – Re-leitura – Opinião 
  • “Eternal Darkness” de J.F. Johns – Opinião 
Anúncios

Harry Potter e a Câmara dos Segredos – J.K. Rowling [Opinião]

99e524e9dd50c21c003f2db9ae89aa3c26f17Título Original: Harry Potter and the Chamber of Secrets
Publicação: Julho de 2016 (30ª Edição)
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722325691 
PVP: 13,90
A minha classificação: 5/5 estrelas

Sinopse: Os dias de Verão com os Dursleys estavam a tornar-se insuportáveis. Harry Potter já não gostava muito de muggles, mas o pior é que tinha de passar os seus dias de férias em casa dos muggles mais muggles de todo o planeta e arredores.
Não havia maneira de voltar para a sua querida escola de feitiçaria… E ultimamente mesmo esse regresso se encontrava ameaçado, pois o duende Dobby não cessava de o avisar de que algo terrível o aguardava em Hogwarts… Nada mais nada menos do que a revelação dos misteriosos e ameaçadores poderes da câmara do segredos!

Opinião: Uma opinião bastante atrasada, mas mais vale tarde do que nunca, não é?

Para mim é um pouco dificil falar sobre Harry Potter, pois tenho muita coisa para dizer e ao mesmo tempo, por serem tantos livros (e já os ter lido a todos há uns anos), chego ao ponto de não saber o que dizer, pois não é uma surpresa total para mim. Não conheci nada de novo. Apenas relembrei.
Por isso, decidi ir comparando o livro que li com os anteriores. Neste caso, irei apenas comparar ao primeiro livro da saga, sendo que este é o segundo.

Uma coisa que notei é a evolução da escrita de J.K. Rowling. Ela acompanha o crescimento sem-titulo-1de Harry. Vemos o mundo de feiticeiros de uma forma diferente. No primeiro, Harry não conhecia nada deste mundo, tal como nós leitores, e por isso, o mundo que vemos em “Harry Potter e a Pedra Filosofal” é um mundo a descobrir, uma surpresa total. No segundo livro, ainda aparecem algumas surpresa, mas vemos Harry um pouco mais crescido e habituado, pelo que não temos tantas descrições de magia, como se fosse uma coisa nova, mas sim como uma coisa a que o jovem feiticeiro se está a habituar.

De entre estes dois livros, gostei muito mais deste segundo, por vários motivos. Temos algum destaque para aulas como Herbologia e Duelos de Magia, e tudo isto, como já se viu no primeiro, irá fazer parte do desfecho do livro, e é talvez isto o que mais gosto nestes livros: Tudo acontece por um motivo. Até mesmo as mais pequenas e “insignificantes” coisas.

Depois do primeiro livro, em que conhecemos imensas personagens, aqui conhecemo-las melhor. Mrs. Weasley foi, sem dúvida, o personagem que gostei de conhecer melhor. Também Draco Malfoy e o Snape tem os seus momentos. Nenhum personagem é deixado para trás!

Rever o filme, depois de terminar este segundo livro, foi ainda melhor, pois há certos momentos, e isso é normal, em que a magia que vemos num ecrã é totalmente diferente da que imaginamos, e isso é a única coisa que é melhor em filme do que no livro, como é óbvio.
Ri-me mais com este livro, do que com o anterior, isso é um facto. E gostei mil vezes mais da história, da forma como trouxeram Voldemort à vida de novo. Achei-a muito mais bem construída, em relação ao primeiro livro, e com muita mais ação e perigo, o que tornou este livro o meu preferido, de entre estes dois primeiros.

Como disse, é dificil para mim falar de livros que já li e estou a reler agora, quando sei a história toda e nada me vai surpreender. Mas sabe sempre bem rever este mundo, que marcou, não só a minha infância/adolescência, como a de muitas pessoas pelo mundo fora. Acho que deveria ser um crime, não ler ou ter lido Harry Potter haha

Eternal Darkness – J. F. Johns [Opinião]

99e524e9dd50c21c003f2db9ae89aa3c26f17Título Original: Eternal Darkness 
Publicação: 2015
Editor:
ISBN: 9788460840442
PVP: 9,35€
A minha classificação: 4,5/5 estrelas

Sinopse: The world is divided between humans and cyborgs.
Scarlet Lock is neither.
She is a soldier created to kill on command. But her memory has been erased and when she awakens in a government facility she soon discovers that this new world is a dangerous place, full of government secrets and cruel experiments performed in the name of progress.
With the help of a group of cyborgs, Scarlet will fight to uncover the truth and transform the future of the new world she now lives in.
Eternal Darkness is full of suspense, action and romance and will make readers question what it means to be human.

Opinião: Geralmente, não sou muito fã deste tipo de livros, sobre robôs e de ficção-científica, mas não posso deixar de dizer que este livro foi uma enorme surpresa!
Muitos de vocês devem saber que já li “Quando as Estrelas Caem” e “Cinder” (opiniões aqui e aqui) e eu dei por mim a não gostar muitos destes livros (talvez por ter expectativas altas em demasia), e por conta disso, tinha algum receio de não gostar de “Eternal Darkness” também… Mas adivinhem? ADOREI-O! Vou ser corajosa agora – pois sei que muitas pessoas terão vontade de me “bater”, depois do que vou dizer haha – mas eu considero este livro ainda melhor que os anteriores livros mencionados.
Então, se gostam de fição-cientifica, se gostaram de As Crónicas Lunares (Cinder, Scarlet e Cress) e de “Quando as Estrelas Caem”, irão de certeza adorar este livro, e recomendo-vos a todos! E para aqueles que têm a mesma opinião que eu sobre estes livros, deveriam dar uma oportunidade a “Eternal Darkness”, como eu fiz.
Claro, existe um ponto negativo para Portugal: Quem não sabe inglês ou não gosta de ler em inglês, não terá a oportunidade de ler este livro, sendo que só está disponível em inglês!

Este livro, em geral, é um livro de 5 estrelas, porém, e por ser teimosa, classifiquei-o com 99e524e9dd50c21c003f2db9ae89aa3c26f174,5 estrelas apenas porque queria ter visto ao menos um beijo entre os meu casal favorito. Mas como em breve haverá um segundo livro, tenho esperança de que haja finalmente um beijo! Tirando este ponto, adorei mesmo o livro.
Como disse, “Eternal Darkness” surpreendeu-me mesmo muito. Scarlet é uma personagem fantástica, com um bom desenvolvimento a nível de personalidade, ao longo do livro. O Sam e o Eric são outros personagens que adorei. Aliás, é impossível não adorar estes três personagens, principalmente o Eric, que é engraçado e que lembrou-me um pouco do Barney (da série de televisão “Foi assim que aconteceu”) e do Jace (da série de livros da Cassandra Clare “Caçadores das Sombras”), por ser tão convencido e vaidoso, mas de forma tão engraçada, que não se consegue não gostar até desta caraterística, e é esta a principal razão porque gosto tanto dele! O mesmo não posso dizer da Madeleine, que é arrogante. Não gostei muito dela, a nível de personagem, pois qualquer bom livro tem que ter sempre aquela personagem mázinha ou arrogante, claro! haha Mas todas as cenas e diálogos dela com o Eric foram engraçados, ao ponto de não conseguir parar de rir!

A história do livro, a ideia em si, está muito bem pensada, construída e escrita. Gostei imenso de conhecer este mundo dividido entre humanos e cyborgs (humanos mas com partes do corpo substituidas por parte roboticas), em que um Novo Governo reina. Fiquei curiosa com este livro desde a primeira página, e o final foi simplesmente.. Não há palavras! Só posso dizer que deixou-me ainda mais curiosa e com vontade de ler o segundo livro, que infelizmente ainda não foi publicado. Mas estou mesmo muito curiosa para ver o que se segue.

Podem encontrar o livro para venda nos seguintes links:
https://www.amazon.com/Eternal-Darkness-1-J-Johns/dp/8460840441/ref=sr_1_3?ie=UTF8&qid=1472596950&sr=8-3&keywords=eternal+darkness
https://www.amazon.es/Eternal-Darkness-J-F-Johns/dp/8460840441/ref=sr_1_2?ie=UTF8&qid=1472596837&sr=8-2&keywords=eternal+darkness

Harry Potter e a Pedra Filosofal (Harry Potter #1) – J.K. Rowling [Opinião]

23506567Título Original: Harry Potter and the philopher’s stone
Publicação: Março 2016 (re-impressão na nova edição) 
Editor: Editorial Presença 
ISBN: 9789722325332
PVP: 13,90€
A minha classificação: 5/5 estrelas

Sinopse: “Harry Potter é antes de mais o fenómeno editorial de 1999. É-o porque demove crianças de jogos de computador e de infindáveis horas frente ao televisor. É-o porque está traduzido em cerca de 30 idiomas. É-o porque tem angariado os mais importantes prémios de literatura infanto-juvenil. É-o, por fim e entre outras inúmeras razões, porque ocupa há meses consecutivos os primeiros lugares das mais importantes listas de vendas mundiais. Mas Harry Potter, o personagem dos livros de J. K. Rowling, não é um herói habitual. É apenas um miúdo magricela, míope e desajeitado com uma estranha cicatriz na testa.
Estranha, de facto, porque afinal encerra misteriosos poderes que o distinguem do cinzento mundo dos muggles (os complicados humanos) e que irá fazer dele uma criança especialmente dotada para o universo da magia. Admitido na escola Howgarts onde se formam os mais famosos feiticeiros do mundo, Harry Potter irá viver todas as aventuras que a sua imaginação lhe irá propocionar. Um grande sucesso editorial que os mais jovens adoram e que apetece também aos adultos.”

Opinião: Já não lia Harry Potter à imenso tempo. Talvez tenha lido o último livro nos meus 14 ou 15 anos. E depois de ler “Harry Potter and the Cursed Child“, que é o oitavo livro mas em formato de texto dramático, algo despertou em mim a vontade de reler os livros de novo, e já que queria fazer a coleção desta nova, fantástica e irresistível edição de 15 anos, juntei o útil (reler) ao agradável (colecionar).

Começou assim a minha “jornada” por este mundo que marcou parte da minha infância e adolescência. Um mundo que abriu-me portas a uma realidade onde viria tornar-me neste devoradora de livros que sou hoje.
Pela primeira vez em muito tempo, decidi reler um livro, em vez de pegar num livro que tenha por ler, e foi realmente uma sensação muito boa. Foi, principalmente, bom reviver as aventuras deste “rapazinho” de óculos e com uma cicatriz na testa. Acho que o facto de reler o livro agora em idade adulta, permitiu-me ver este primeiro livro de uma forma totalmente diferente, e de certe modo, consegui desfrutar muito mais da escrita de J.K. Rowling, ao mesmo tempo que senti uma nostalgia enorme pelo tempo em que brincava com os meus amigos, em criança, “à” Harry Potter. Claro que eu tinha que ser a Hermione Granger, haha

Se na altura em que li os livros, pela primeira vez, gostei e fiquei totalmente encantada com este mundo mágico que a autora nos traz, ao reler, consegui ter um segundo olhar sobre coisas que, de certeza de que quando o li em criança, não achei que fosse muito importante e de certa forma marcante.

É uma coisa que recomendo imenso a todos os que adoram Harry Potter e que leram este gfdúltimo livro lançado, à pouco menos de três semanas: Recomendo relerem a série, se assim tiverem vontade, pois não importa a nossa idade, Harry Potter é para todas as gerações, e a cada re-leitura que fizermos, iremos descobrir novas coisas, às quais não prestamos atenção, entre outras coisas.

Relativamente ao livro em si… Adorei ter terminado de ler um livro, em que Harry Potter é muito mais velho, e depois ter voltado atrás e ter pegado neste primeiro livro, que me levou de volta ao tempo do Harry de 11 anos. Obviamente, que depois de ler o livro, vi o filme também, e tudo isto em conjunto tornou esta re-leitura muito mais especial. Há personagens às quais não prestei muita atenção, quando li o livro pela primeira vez (este em especial), mas que depois de ler toda a série, não me são indiferentes, como o Severus Snape ou até mesmo uma “simples” coruja como a Hedwig.
Honestamente, quando li os livros, a escrita de Joanne Rowling não me chamava muita atenção e li os livros principalmente pelo mundo em si. Mas hoje, consegui ver nessa escrita algo de especial, pois não é qualquer um escritor que consegue fazer descrições que nos levem a imaginar tudo ao ínfimo pormenor e até a levar-nos a Hogwarts através da nossa mente.

Dizer que estou ansiosa por reler os próximos, é pouco. Entretanto, comprei os dois livros seguintes “Harry Potter e a Câmara dos Segredos” e “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban”. A quem estiver a procurar os livros (nesta nova edição), não deixem de aproveitar a promoção do Continente, com 40% de desconto imediato em toda a série (a decorrer até 15 de Agosto). E como não podia deixar de ser, agora entrei numa “reading slump”, ou ressaca literária, e ando há não sei quanto tempo sem saber o que ler, porque Harry Potter é Harry Potter e depois de lermos os livros, é normal que sintamos que não iremos ler nada igual ou melhor.

The Last Star (The 5th wave #3) – Rick Yancey [Opinião]

13417381Título Original: The Last Star
Publicação: 2016
Editor: Penguin Books Ltd
ISBN: 9780141345925
PVP: 12,75€ (nas livrarias portuguesas) | 11,88€ (no site bookdepository.com )
A minha classificação: 2/5 estrelas

Sinopse: ” ‘The Last Star’ is the heart-stopping finale to the bestselling ‘5th Wave’ series by award-winning author, Rick Yancey. Perfect for fans of 2The Hunger Games”, ‘Divergent’ and ‘The Maze Runner2’. «The enemy is Other. The enemy is us. They’re down here, they’re up there, they’re nowhere. They want the Earth, they want us to have it. They came to wipe us out, they came to save us. But beneath these riddles lies one truth: Cassie has been betrayed. So has Ringer. Zombie. Nugget. And all 7.5 billion people who used to live on our planet. Betrayed first by the Others, and now by ourselves. In these last days, Earth’s remaining survivors will need to decide what’s more important: saving themselves… or saving what makes us human.»”

Opinião: Desilusão. Desilusão é a melhor palavra para descrever o que este livro foi para mim.
É verdade que o segundo livro “The Infinite Sea” (“O Mar Infinito” em Português) não foi dos melhores livros que já li e comparado ao primeiro livro, “The 5th Wave” (“A 5ª Vaga” em Português), foi fraco.
Posso dizer que esta foi talvez a pior trilogia que já li. O primeiro livro foi fantástico, e podia ter sido o inicio de uma trilogia marcante e de 5 estrelas. Mas por algum motivo, o autor decidiu estragar o entusiasmo que milhares de pessoas sentiram ao ler o primeiro livro, e começar a descrever cenas de guerra, dando importância a personagens incrivelmente chatas. Tudo isto, no segundo.
E agora, que finalmente terminei de ler o terceiro e último livro (cheguei a pensar em desistir e ficar com metade do livro lido apenas), chego à conclusão que Rick Yancey certamente que escreveu estes dois últimos livros só para fazer desta história (inicialmente fantástica) uma trilogia. Desnecessário. Penso que se ele tivesse terminado o primeiro livro de uma forma mais conclusiva, teria ficado ótimo por ali, e os fãs de “The 5th Wave” teriam ficado satisfeitos, e não desiludidos.
Como já tinha mencionado no meu post “Leituras de Junho” (e também no instagram), este foi o primeiro livro que li em inglês (que comecei a ler, porque antes de o terminar, li “Harry Potter and the Cursed Child – Part I and II“). Gostei da experiência, e em termos de escrita, é uma escrita fácil de se acompanhar, e não considero este inglês muito difícil. Claro que penso em continuar a ler mais livros em inglês, porque além de mais baratos, muitas vezes é mais satisfatório ler as palavras do escritor (e não traduzidas). Não sei explicar… Sinto que é diferente. Que as palavras originais é que realmente dizem se o escritor é bom ou não.

História:
Achei-a fraca, e sem nexo muitas vezes. Penso que não seja por o livro ser em inglês, mas sim do escritor… Dava por mim, quase sempre, a ter que reler uma cena, pois quando chegava ao fim dela, não tinha percebido o que havia acontecido. Ou às vezes, via-me perdida, esquecendo coisas, ou simplesmente, ficava “O quê? Mas quê?”. A história é bastante confusa, sem uma base concreta pois o que vemos neste livro é ações de guerras. Subir não sei o quê, disparar armas, blá blá. O primeiro livro foi ótimo. O segundo começou por ser mais ou menos, mas acabou por ser confuso também. Mas a história deste é simplesmente… Não tem sentido, e nem parece que foi escrita pelo mesmo escritor do primeiro livro!

Personagens:
No meu post de “Tag: Perguntas Literárias“, disse que se tivesse que eliminar ou matar um personagem, esse personagem seria a Ringer, desta trilogia. E sinceramente, essa vontade só cresceu. Achei-a tão “inútil” na história (tal como no segundo livro), enquanto uma das narradoras. Há uma coisa que lhe acontece, que me fez pensar imenso em que momento é que aconteceu algo no livro anterior que levasse àquilo! Por isso, eu digo que até mesmo o anterior livro foi confuso.
A Cassie foi talvez a única personagem de que gostei neste livro. Só irritou-me o facto de o Sam se esquecer do Abcedário ser muito importante, ao ponto desta mencioná-lo não sei quantas vezes. Quem é que, no meio de uma guerra, se preocupa com isso?
O Ben continua sendo… ele, mas a relação que ele vai criando com uma certa personagem chega a confundir-me, pois pensei que ele terminasse com outra personagem.. Mas enfim!!!

Final:
Foi ainda mais confuso, apesar de ter algumas partes bonitas, mas finais de certas personagens que simplesmente não fazem sentido, e que me surpreenderam, de uma forma negativa. Um exemplo é a Ringer. Quem conhece a Ringer, irá certamente ficar chocado com o final que lhe foi destinado.
E o que todos queremos saber desde o inicio, o porquê de invadirem o planeta terra, acaba por não ser explicado ou pelo menos, há uma tentativa de o ser feito mas acaba por tornar-se numa explicação confusa, que não faz sentido algum.

Em suma… Não me lembro de alguma vez ter feito uma opinião tão negativa ou de ter dado uma classificação tão baixa a um livro. Mas este livro tem poucos pontos positivos, e para ser sincera, se soubesse que acabaria por desiludir-me, tinha-me ficado pelo primeiro livro. E é uma coisa que recomendo. Leiam o primeiro livro, e se gostarem, fiquem por ali, caso não queiram ser desiludidos!
O que eu esperava, sinceramente? É normal que o segundo livro de uma trilogia possa ser um pouco mais fraquinho, pois é a ponta entre o primeiro livro e o último, mas eu esperava que este último livro fosse um pouco melhor que o segundo e que desse um final digno a uma trilogia, que começou da melhor forma mas terminou da pior.

Harry Potter and the Cursed Child (Harry Potter #8) – J. K. Rowling, John Tiffany and Jack Thorne [Opinião]

626F6F78747265616D=7474747474727576707<7473Título Original: Harry Potter and the Cursed Child
Publicação: 07/2016
Editor: Little Brown
ISBN: 9780751565355
PVP: 25,50€
A minha classificação: 5/5 estrelas

[ESTA OPINIÃO CONTÉM POSSÍVEIS SPOILERS PARA QUEM NÃO LEU A SÉRIE HARRY POTTER]
Sinopse: “Based on an original new story by J.K. Rowling, Jack Thorne and John Tiffany, a new play by Jack Thorne, Harry Potter and the Cursed Child is the eighth story in the Harry Potter series and the first official Harry Potter story to be presented on stage. The play will receive its world premiere in London’s West End on 30th July 2016. It was always difficult being Harry Potter and it isn’t much easier now that he is an overworked employee of the Ministry of Magic, a husband, and father of three school-age children. While Harry grapples with a past that refuses to stay where it belongs, his youngest son Albus must struggle with the weight of a family legacy he never wanted. As past and present fuse ominously, both father and son learn the uncomfortable truth: sometimes, darkness comes from unexpected places.”

Opinião: Antes de mais: Mesmo que fosse o pior livro do mundo, eu daria 5 estrelas na mesma, pois Harry Potter é Harry Potter!!
Mas… Sendo Harry Potter, e sendo escrito (principalmente) pela J.K. Rowling, é impossível este livro ser menos do que fantástico.

O último livro, não acredito! É verdade, que muitos de nós pensamos que “Harry Potter e os Talimãs da Morte” fosse o último, e então a melhor escritora de todos os tempos, traz-nos um oitavo livro. Porém, agora é definitivo e a própria Joanne Rowling confirmou-o: A história do Harry chegou ao fim.
Como é óbvio, não consegui resistir e comprei o livro, mal este foi lançado. E para minha surpresa, li-o em menos de 24 horas. Surpresa, pois trata-se de um livro em inglês e inglês é ainda um terreno a conhecer, em termos de literatura, por tornar-se cansativo lê-lo durante tanto tempo. Mas talvez o facto de ser mais um “guião” do teatro, ajudou-me a lê-lo ainda mais rápido, do que seria suposto. Juro que ao inicio, eu pensei que fosse mesmo um livro e não um guião! (Para quem considera-se fã, este pensamento merece um “shame on you” haha)

As minhas expectativas já eram bastante altas, por ser o livro que era, escritor pela escritora que é, então depois de o ler, essas expectativas foram superadas. Adorei imenso o livro. Adorei rever personagens como o Draco, o “Golden Trio”, a Minerva, e até mesmo personagens que morreram anteriormente, mas que de alguma forma, retornam a esta “peça”.

Algo que adorei imenso neste livro foram os vários momentos de livros anteriores, como alguns de A Pedra Filosofal e de O Cálice de Fogo, que foram incluídos no livro e que me fizeram ter ainda mais vontade de reler a saga Harry Potter (o que já está incluído nos meus planos para este Verão). O inicio do livro foi talvez a melhor recordação, pois começa 13417381exatamente onde terminou o sétimo livro: Na estação, com aquele momento de elogio a dois grandes diretores de Hogwarts, e como não podia deixar de ser, uma parte de mim ficou bastante contente por rever esta cena!

A história foi uma surpresa em si, pois eu não sabia muito do que se tratava. Sabia apenas que falava sobre um dos filhos de Harry e Ginny, o Albus Severus Potter. Mas dei por mim a adorar, a divertir-me com as aventuras de Albus e de Scorpius, o filho de Draco Malfoy, e como não podia deixar de ser, Scorpius foi o meu personagem favorito de entre esta dupla. Draco Malfoy é o meu favorito da saga Harry Potter e parece que é genético: É impossível não adorar o pai, sem adorar o filho.

Houve algumas surpresas, mais para o fim do livro, que me chocaram e que me fizeram pousar o livro por um momento e que me fizeram sentir um misto de emoções: Riso, choque e juro que tive que reler várias vezes! Quem já leu o livro, certamente percebe de que revelação estou a falar! Embora, por um lado, a personagem em questão não nos traga surpresa, quanto à sua devoção.. Mas ainda agora pergunto-me como é que alguém que não tem nariz, pode ter… bom, vou ficar-me por aqui quanto a isto! haha

Se fosse uma feiticeira, esta história traria, com certeza, uma lição, (que digo novamente: quem já leu, compreende do que falo). Mas até mesmo para nós, “Muggles”, isto serve de lição: O passado é passado e a questão de mudá-lo é algo delicado.

Recomendo, sem dúvida, este livro, mesmo para aqueles que não sabem muito inglês. O livro é bastante fácil de ler-se, principalmente por só tem, na sua maioria, falas, ou seja, não há muitos verbos, e lê-se bem.
Agora, fãs de Harry Potter, é esperar, de dedos cruzados, pela possível digressão da peça de teatro, que passe por Portugal!